Ministro vira cabo eleitoral no almoço

Cassel participa de ato da Contag em apoio a Dilma, a quem chamou de 'futura presidente'

Carol Pires e Vannildo Mendes, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2010 | 00h00

Titular da pasta do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel esteve ontem em ato público de apoio à campanha de Dilma Rousseff , organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag).

"Estou em meu horário de almoço", disse Cassel no início do discurso. "E, agora, horário de almoço é horário de militância." O ministro chegou ao evento às 12h05 e foi embora às 14h10. Durante discurso, chamou Dilma de "futura presidente da República", elogiou a gestão do governo Lula no setor da agricultura e atacou a do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. "Antes de 2003, os agricultores eram condenados à invisibilidade", disse.

Igual roteiro foi seguido pela própria candidata. Ela criticou o tratamento dos governos anteriores ao setor e prometeu ampliar o crédito e os programas de ajuda aos trabalhadores rurais. "Não tratamos os movimentos sociais à base de bordoada ou fingindo que os escutamos. Tratamos movimentos sociais com respeito."

A petista distribuiu afagos e assumiu o compromisso de aprofundar a reforma agrária, mas evitou bancar bandeiras polêmicas para o setor retiradas da primeira versão do programa de governo entregue ao TSE na semana passada. Mesmo assim, o presidente da Contag, Alberto Broch, defendeu a adesão a Dilma. "Foi uma decisão acertada, livre, autônoma e independente."

Comitê. Com um público de cerca de mil pessoas, mas sem o presidente Lula e com a presença de poucos ministros, a candidata inaugurou à noite o comitê central de sua campanha, num palanque com aliados do PMDB, do PSB, do PC do B e até nanicos como PTR, PTC e PTN. Umas poucas vaias foram ouvidas quando o candidato a vice na chapa, deputado Michel Temer (PMDB-SP), foi anunciado para discursar.

Dilma falou por apenas dez minutos. Disse ter recebido de Lula a missão "de cuidar do povo que ele tanto ama".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.