Ministros apelam por manutenção do Fundo Partidário

Preocupados com os estragos que os cortes no orçamento dos ministérios e nas emendas parlamentares produzirão no Congresso, os ministros da Casa Civil, Antonio Palocci, e da Secretaria de Relações Institucionais, Luiz Sérgio, ambos petistas, convenceram a presidente Dilma Rousseff e a área econômica de que seria "importante" manter o acréscimo acertado de R$ 100 milhões do Fundo Partidário.

, O Estado de S.Paulo

10 de fevereiro de 2011 | 00h00

Os ministros explicaram a Dilma, numa reunião que se estendeu até a madrugada de ontem, que a manutenção do aumento do fundo foi fruto de acordo com partidos da base e da oposição, que estavam enfrentando graves problemas de verbas por causa dos gastos com as eleições. Dilma estava sensível ao apelo, afinal, eram R$ 100 milhões que atenderiam a todos e reduziriam o impacto dos demais cortes.

O reforço de R$ 100 milhões foi aprovado a nove dias do fim do ano e funcionou como uma "Mega Sena da Virada" para todos os partidos. Agora, os endividados poderão quitar suas contas com o dinheiro do contribuinte. E os que perderiam verba ficarão até mais ricos, apesar do desempenho eleitoral inferior em 2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.