AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Ministros comparecem, mas público foi reduzido

Pelo menos 32 titulares da Esplanada foram ao desfile, que contou com esquema de segurança bastante reforçado

Tânia Monteiro e Denise Madueno / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2011 | 00h00

Em um desfile rotineiro e de público reduzido, o 7 de Setembro em Brasília chamou a atenção mais pela presença de quase todos os ministros no palanque presidencial, prestigiando a estreia de Dilma Rousseff - primeira mulher presidente da República - no comando da comemoração nacional do Dia da Pátria. Pelo menos 32 ministros foram à festa, que teve um esquema de segurança reforçado por conta das manifestações contra a corrupção.

Os organizadores do desfile esperavam entre 35 mil e 40 mil pessoas, mas estiveram no Eixo Monumental da Esplanada entre 20 mil e 25 mil pessoas.

Dilma foi ao desfile acompanhada da filha Paula e do neto Gabriel, de um ano. Apesar da presença maciça dos ministros, foi notada a ausência do vice-presidente Michel Temer, que viajou para Natal. Também não compareceram à cerimônia os presidentes do Congresso, senador José Sarney, e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Cezar Peluso, que cobra do Executivo e do Congresso a aprovação de um reajuste salarial de quase 15% para o Judiciário. Ao contrário do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma não prestigiou a tradicional exibição da Esquadrilha da Fumaça. Assim que o último batalhão militar passou à frente do palanque presidencial, Dilma foi embora, sendo seguida pelos demais ministros. O neto Gabriel deixou o palanque às 10h05, depois de brincar muito com a avó e com a faixa presidencial.

Blindada pelo forte esquema de segurança, que incluiu este ano um tapume de mais de dois metros de altura em todo o perímetro do gramado nas proximidades do palanque presidencial, Dilma e os ministros não chegaram a ver a manifestação contra a corrupção, que tomou o outro lado da Esplanada. Celebridade convidada para o evento, o nadador Cesar Cielo carregou durante o desfile o "fogo simbólico" e depois subiu no palanque, onde cumprimentou e tirou fotos com as autoridades. A contenção de verbas nas Forças Armadas reduziu bastante o contingente de militares, carros e blindados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.