Ministros pedem voto em Lula nas viagens oficiais

A 17 dias do segundo turno das eleições, o primeiro escalão do governo federal está se empenhando como nunca para garantir a reeleição do presidente Lula. A maioria dos ministros preferiu não se afastar temporariamente do cargo nem tirar férias para se dedicar à campanha, mas aproveitam suas agendas ministeriais para correr atrás de votos.É o caso, por exemplo, do ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias (PT), que na última quarta-feira foi para Minas Gerais, seu reduto eleitoral. Um dos responsáveis pelo programa Bolsa-Família, Patrus pretendia aproveitar sua ida ao Estado para fazer campanha, nesta quinta-feira à tarde, na cidade de Formiga, a 214 quilômetros da capital. O ministro das Cidades, Márcio Fortes (PP), era um dos poucos que estava fora de Brasília desde o início da semana. Na última quarta-feira, ele e o prefeito Gilberto Kassab (PFL) inauguraram o terminal de transporte coletivo Sapopemba-Teotônio Vilela, em São Paulo. A expectativa é de que o terminal beneficie cerca de 50 mil passageiros diariamente. A obra tem investimentos de R$ 142 milhões do governo federal.Antes de ir a São Paulo, Márcio Fortes começou a semana no Rio Grande do Sul, onde participou de vários eventos do Ministério das Cidades. Na última terça-feira, por exemplo, o ministro fez visita a dois conjuntos residenciais com casas para cerca de 500 famílias de baixa renda.O ministro das Comunicações, Hélio Costa, um dos mais engajados na campanha, passou o dia em Brasília. Deu entrevista sobre o Fundo de Universalização das Telecomunicações (Fust) e avisou que vai se dedicar à eleição nas horas livres e fins de semana. No primeiro turno, Costa ficou uma semana em Minas para trabalhar pela campanha de Lula.O ministro das Minas e Energia, Silas Rondeau, é outro que também não vai tirar férias. No primeiro turno, Rondeau foi para o Amapá fazer campanha para o senador José Sarney (PMDB-AP), seu padrinho político no ministério. Sarney foi reeleito.Presença GarantidaOs ministros das Relações Institucionais, Tarso Genro, e da Casa Civil, Dilma Rousseff, são os que mais têm se empenhado pela reeleição. Neste segundo turno, eles têm acompanhado Lula em praticamente todos os eventos de campanha: vão e voltam dos comícios nos Estados, no Aerolula, com o presidente. Na última segunda-feira, o gaúcho Tarso abriu um espaço em sua agenda, no horário do expediente, para ir a Porto Alegre e ajudar o petista Olívio Dutra, candidato ao governo, a se preparar para o debate contra sua adversária Yeda Crusius.Na semana que antecedeu o primeiro turno, Tarso Genro e Dilma Rousseff ficaram em Brasília a pedido de Lula. Na ocasião, o presidente alegou que a Esplanada estava vazia e precisava que os dois ministros ´cuidassem do governo´.Até agora, apenas os ministros do Turismo, Walfrido do Mares Guia (PTB), e do Trabalho, Luiz Marinho (PT), entraram em férias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.