Missa e caminhada lembram a morte do garoto João Hélio

Duas homenagens lembraram neste sábado, 10, a morte do menino João Hélio Fernandes Vieites, 6 anos, que faleceu ao ser arrastado por mais de sete quilômetros por criminosos que roubaram o carro de sua mãe. Pela manhã, uma missão pediu o fim da violência em São Paulo e, à tarde, no Rio de Janeiro, foi realizada uma caminhada por todo o percurso no qual o garoto foi arrastado.Segundo o Jornal Hoje, da Rede Globo, a missa em São Paulo foi realizada na Catedral da Sé e foi compartilhada por quem também já perdeu parentes e amigos vítimas da violência. No Rio, a caminhada reuniu cerca de 500 manifestantes levavam cartazes e faixas. Eles percorreram sete quilômetros, e o ato, que começou na Rua João Vicente, em Oswaldo Cruz, na zona norte, local em que aconteceu o assalto, prosseguiu por dez ruas de quatro bairros.A manifestação teve a presença dos pais do menino, Hélcio Lopes Vieites e Rosa Cristina Fernandes Vieites, além de parentes de outras vítimas da violência. O comandante-geral da PM, coronel Ubiratan Ângelo, e o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, também participaram. No último dia 7, os pais do menino criticaram a ausência de autoridades do governo estadual na missa de um mês da morte de João Hélio.Entre os cinco acusados pelo assassinato há um menor e, depois da perda do filho, Vieites e Rosa Cristina iniciaram uma campanha pela redução da maioridade penal. Na semana passada, o menor alterou seu depoimento à Justiça e negou participação no crime.Matéria ampliada às 18h51

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.