Mistério provoca discussão no Rio: a morte de 12 cãezinhos

A Sociedade União Internacional Protetora dos Animais (Suipa) responsabilizou a prefeitura do Rio pela morte de doze filhotes de cão, ocorridas na madrugada da última segunda-feira. Eles foram vítimas de um incêndio, que, segundo funcionários, foi provocado pela queda de um balão. Os filhotes, que eram de vira-lata e haviam sido abandonados na Suipa havia três dias, estavam em duas gaiolas que ficavamnuma parte coberta apenas por um telhado de amianto. A superfície cedeu e as gaiolas pegaram fogo. Não foram encontrados vestígios de balão. O supervisor administrativo da entidade, Jorge Luiz Medeiros, estima que o acidente tenha ocorrido por volta das 4h30 desegunda-feira. Só um vigia estava de plantão, na parte administrativa, e não viu as chamas. Os funcionários que chegaram por volta das 5h30 perceberam que havia uma árvore pegando fogo e correram para apagá-lo, mas os cachorros já estavam mortos. Ontem, a Suipa publicou um anúncio na seção de obituário de um jornal do Rio. Foi um protesto pelo fato de a prefeitura do Rio se recusar a ceder um terreno vazio, de 4 mil metros quadrados, que fica ao lado do seu, na Avenida Dom Hélder Câmara, em Benfica, na zona norte. ?A superlotação é nosso maior problema. E só contamos com a colaboração de nossos sócios, quando, por lei, aresponsabilidade de cuidar dos animais é da prefeitura.? A Suipa abriga 8 mil animais abandonados, entre cães, que são amaioria, gatos e aves, entre outros. Dá alimentação e tratamento veterinário e providencia a castração.Hoje, a Secretaria Municipal de Defesa dos Animais publicou no Diário Oficial comunicado lamentando só ter sido informadadas mortes dos cachorros 48 horas depois. Informa que ?já estão sendo tomadas as providências necessárias para apuração da veracidade da causa mortis, definição das responsabilidades e encaminhamento da aplicação das penalidades devidas.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.