Mocidade canta o amor e conquista 7º título

Com enredo cheio de corações, escola da zona norte de São Paulo venceu a Vai-Vai por apenas meio ponto

Bruno Paes Manso, O Estadao de S.Paulo

25 Fevereiro 2009 | 00h00

Parecia que o pesadelo do ano passado ia se repetir, quando a Mocidade Alegre perdeu o título para a Vai-Vai justamente na última nota dada pelos jurados. Ontem, como ocorreu no ano anterior, a presidente da Mocidade, a católica Solange Cruz Bichara, rezava o terço de olhos fechados, sem comemorar as sucessivas notas 10 que a escola vinha recebendo e que pareciam assegurar o título.   Acompanhe a apuração do carnaval do RioNa última nota, no quesito alegoria, o drama ameaçou se repetir. A Mocidade recebeu seu terceiro 9,75, abrindo chances para o bicampeonato da Vai-Vai, que poderia empatar na soma de pontos, resultado que lhe garantiria o título no critério de desempate - no quesito alegoria. Os repórteres correram para a mesa da Vai-Vai, mas a escola recebeu um 9,5 e ficou 0,5 ponto abaixo dos 358,75 da primeira colocada, causando imensa euforia entre integrantes da diretoria e da pequena torcida da Mocidade no sambódromo. "O coração falou mais forte. O amor é lindo", disse a presidente da escola, emocionada. A comunidade do bairro do Limão então seguiu para a quadra, que ficou pequena. De acordo com a direção da escola, 2 mil pessoas se aglomeravam no local às 19 horas, quando o troféu chegou, acompanhado de Solange, sob o coro de "é campeã!" Às 19h40, a bateria teve de tocar no meio da rua.O desfile que garantiu o sétimo título da Mocidade Alegre conquistou público e crítica com um enredo romântico sobre o coração - Da chama da razão ao palco das emoções... Sou coração pulsando forte na avenida. O enredo permitiu à escola abusar da criatividade, abordando o tema por ângulos diferentes, cantando e criando alegorias e fantasias sobre aspectos biológicos - Washington, o Coração Valente, centroavante do São Paulo que já teve problemas cardíacos, foi um dos destaques - e filosóficos, com referências ao amor e ao romantismo.A bateria nota 10 da Mocidade, além de não perder o ritmo, conquistou o sambódromo com uma coreografia que formava um coração. O samba-enredo, com bela melodia e refrão chiclete, foi outro ponto alto. O critério evolução, nota dada para a forma como a escola percorre a avenida, foi o ponto fraco da Mocidade, com duas notas 9,75.A Vai-Vai, com enredo sobre o corpo chamado Mente sã e corpo são, ficou em segundo lugar. Ao receber o troféu no começo da noite de ontem, o presidente da escola, Edmar Thobias, elogiou o desempenho da campeã. "O título deles foi merecido."O terceiro lugar ficou para a Rosas de Ouro, a única entre as primeiras colocadas a desfilar no primeiro dia do carnaval, com o enredo Bem-vindo à fábrica dos sonhos. Com nota máxima em quatro quesitos, teve na comissão de frente seu pior desempenho, obtendo 39,5 dos 40 pontos possíveis. Terminou com 358,25. A Gaviões da Fiel conseguiu cinco notas máximas, mas terminou em quarto lugar, com 358 pontos. A Império de Casa Verde conquistou o quinto lugar. Os prêmios foram entregues ontem mesmo no sambódromo pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM).Na outra ponta da tabela, a Nenê de Vila Matilde caiu justamente no ano em que homenageou seu presidente e fundador, Alberto Alves da Silva, o seu Nenê, nos 60 anos da escola. Depois do desfile cheio de problemas, integrantes da agremiação passaram a esperar pelo pior. A Peruche, que abriu o carnaval deste ano, foi a última colocada e também desceu. FORÇA DO CARNAVALNos últimos anos, a Mocidade Alegre tem conseguido resultados que a transformam atualmente em uma das grandes forças do carnaval de São Paulo. Tricampeã entre 1971 e 1973, a escola conseguiu outro título isolado em 1980. Ficou 24 anos na fila e voltou a ganhar outro título somente em 2004, com o enredo Do Além-Mar à Terra da Garoa... Salve Essa Gente Boa!!!. Nos últimos três anos, contudo, tem repetido desfiles impecáveis, o que a garante sempre entre as principais concorrentes ao primeiro lugar. Em 2007, depois do bicampeonato da Império de Casa Verde, voltou a ser campeã. E foi vice no ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.