Mohammed detalha assassinato de inglesa em julgamento

Segundo Tribunal de Justiça, ele confirmou ter matado, esquartejado e ocultado o corpo da vítima, de 17 anos

Rubens Santos, especial para O Estado,

14 de maio de 2009 | 18h20

O julgamento do goiano Mohammed d'Ali Carvalho dos Santos, assassino confesso da inglesa Cara Marie Burke, deve ser encerrado à meia-noite desta quinta-feira, 14. A previsão é do juiz Jesseir Coelho de Alcântara, presidente do 1º Tribunal do Júri de Goiânia.

 

Veja também:

linkDefesa alega que Mohammed tem transtorno psicológico

linkIrmão de jovem acusado de matar inglesa confirma ameaças

linkNamorada descreve Mohammed como 'calmo' e 'estranho'

linkJurados de caso de morte de inglesa já foram escolhidos

linkAcusado de matar inglesa é julgado em Goiânia 

 

Santos foi interrogado entre 14h55 e 16h40. Segundo o Tribunal de Justiça (TJ), ele relatou, em detalhes, como matou, esquartejou e depois ocultou o cadáver da inglesa. Isso, após acertar com a inglesa que ambos voltariam a morar juntos: "Ela pediu pra voltar", disse com ar triunfante. "Mas quando chegou, pediu dinheiro emprestado, passou a me criticar por causa da droga e avisou que contaria tudo pra minha mãe".

 

A partir daí, decidiu matá-la: "Eu liguei o som alto para atrapalhar e quando ela foi ao telefone eu peguei a faca que estava usando para cortar o pó (na cozinha) e enfiei nela". Explicou como adquiriu a faca: "Depois (de matar) fui a um supermercado e comprei uma faca. Cortei primeiro a cabeça, depois os braços e, por fim, as pernas", disse Mohammed.

 

"Ele premeditou, planejou e executou o crime com frieza e brutalidade", apontou o promotor Milton Marcolino. Mas, enquanto o promotor falava, Mohamed ria como se tivesse uma crise de riso. "Mohammed é completamente imputável e não é antissocial nem psicopata", disse Marcolino.

 

Como foi apurado pelo Estado, em outubro do ano passado, um dia após o crime, Mohamed confirmou que após matar Cara Marie Burke tomou banho e, em seguida, colocou o corpo da inglesa no banheiro e saiu de casa em direção à festa de uma amiga. Ficou lá até as 10 horas do dia seguinte - quando esquartejou o corpo, distribuiu em cinco partes e espalhou pela cidade.

 

Pena

 

"O comportamento dele é o mesmo", disse o juiz Jesseir Coelho de Alcântara, da 7ª. Vara Criminal e presidente do Tribunal do Júri, após o depoimento de Mohamed e antes de abrir espaço para os debates, réplica e tréplica. "Como das outras vezes, ele apresentou o mesmo comportamento frio, tranquilo, rindo; mas depende da análise dos jurados", comentou. De acordo com o juiz, a pena de Mohamed deverá ser entre 20 e 30 anos de prisão.

 

Filho

 

O advogado do rapaz, Carlos Augusto Trajano fez um esforço para salvar e ainda construir uma melhor imagem do rapaz. "Agora ele tem filho, é chefe de família", disse o advogado, que pretende recorre da sentença qualquer que seja anunciada. A namorada de Mohamed, Helen de Matos Vitoy, que depôs como testemunha de defesa, confirmou que ambos têm um bebê, de dois meses. Até disse acreditar que poderão viver em família. Mas sem estudar ou trabalhar, Mohammed revelou que antes do crime tinha uma profissão: ser filho. "Minha mãe mandava R$ 4 mil todo mês, de Londres".

 

Também revelou ser dono de uma biografia de violências desde a infância: "Eu pegava gatos na rua, amarrava o pescoço no alto do muro, fazia o cachorro alcançar o gato até o momento em que, tendo alcançado, o pit bull arrancava o pescoço do gato", contou às gargalhadas, antes de emendar: "Eu não acho nada horripilante". Também de divertiu, diante do juiz ao relatar, em inglês, o diálogo que travou com Cara Marie, sobre drogas, momentos antes de matá-la.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.