CNBB
CNBB

Momento de instabilidade pede 'profunda renovação', diz CNBB

Cardeal-arcebispo do Rio, d. Orani Tempesta destacou a violência na sua cidade e a assistência dada pela Igreja

José Maria Mayrink, enviado especial de O Estado de S. Paulo a Aparecida

12 Abril 2018 | 20h31

APARECIDA - A presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) enviou nesta quinta-feira, 12, uma carta ao papa Francisco para reafirmar a fidelidade do episcopado ao sucessor de Pedro e garantir que, nesse período de instabilidade política, econômica e social que atinge o País, a Igreja assuma, ao lado do povo, as exigências deste momento.

+++ Arcebispo de São Paulo lamenta uso de política em ato religioso

Depois de lembrar que os católicos se preparam para rememorar os 40 anos da restauração da imagem de Nossa Senhora Aparecida, após um atentado que a deixou fragmentada em mais de 200 pedaços, texto enviado ao Vaticano em nome de mais de 300 participantes da 56ª Assembleia Geral dos Bispos diz: "Num período em que o Brasil passa por grave instabilidade política, econômica e social, que também nossa vivência, queremos assumir ao lado de nosso povo as exigências deste momento que, cremos, também pode ser de profunda renovação. Sem ceder à perplexidade e à estagnação, sentimo-nos impulsionados a uma adesão mais intensa e criativa ao Evangelho de Jesus Cristo".

+++ Padre preso em operação pediu excomunhão para religioso que defendeu gays

O cardeal-arcebispo do Rio de Janeiro, d. Orani João Tempesta, que leu a íntegra da carta em entrevista coletiva, salientou a violência, uma das questões citadas no texto. D. Orani, que já foi vítima de dois assaltos e se viu em meio a um tiroteio, em sua cidade, falou sobre a ação da Igreja Católica para ajudar a superar o problema.

+++ Prisão de bispo dom Ronaldo Ribeiro por corrupção surpreende CNBB

"O Rio não é a cidade mais violenta do País, mas é retratada como se fosse", afirmou o arcebispo, acrescentando que, desde os anos 1950, quando o então bispo auxiliar, d. Hélder Câmara, fundou o Banco da Providências para dar assistência às favelas, a Arquidiocese do Rio de Janeiro inclui a ação social em sua pastoral.

D. Orani citou o trabalho com menores abandonados, moradores de rua, drogados e portadores do vírus de HIV. "Todos mereceram muita atenção do cardeal Eugênio Sales", lembrou.

O arcebispo salientou ainda a ação da Caritas pela assistência que dá aos imigrantes e refugiados políticos de vários países, como ultimamente àqueles vindos do Haiti e da Síria. Trata-se de um trabalho voluntário que envolve agentes pastorais de outros setores. D. Orani disse que a Igreja tem atuação semelhante em muitas cidades que enfrentam os mesmos problemas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.