Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Monobloco leva 500 mil às ruas do centro do Rio

Em São Paulo, os bloqueios da PM e da CET funcionaram e a folia na madrugada de domingo foi tranquila na Vila Madalena

Idiana Tomazelli, Felipe Resk e Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

22 de fevereiro de 2015 | 21h38

Na saideira do carnaval, o Monobloco atraiu uma multidão de foliões ao centro do Rio na manhã deste domingo, 22, para comemorar seus 15 anos. Mesmo sob forte calor – os termômetros marcavam 35°C –, 500 mil pessoas, na avaliação da Riotur (empresa municipal de turismo), acompanharam o trio elétrico ao longo da Avenida Presidente Vargas, interditada nos dois sentidos.

O bloco se firmou como o segundo maior em público desta temporada, atrás apenas do Cordão da Bola Preta, que levou um milhão às ruas do centro no sábado de carnaval. A concentração começou às 9 horas e o desfile acabou pouco antes das 13 horas, apesar da previsão de término para as 15 horas. Ocorreram algumas confusões, e os cantores pararam a música pelo menos três vezes – suspeitos foram detidos e menores apreendidos pela Polícia Militar, acusados de tentativa de furto e de tráfico de drogas.

Além de celebrar 15 anos, o Monobloco homenageou os 450 anos do Rio e os 50 anos de carreira de Beth Carvalho, madrinha do bloco. Coisinha do Pai e Vou Festejar foram alguns dos sucessos da cantora incluídos no repertório. O bloco Cacique de Ramos, que completa 54 anos, teve uma ala especial.

Na voz dos cantores Pedro Luís, Fábio Allman, Renato Biguli, Alexandre Momo e Pedro Quental e no ritmo de 160 percussionistas, canções como Rio 40 Graus e Do Leme ao Pontal viraram samba. A sequência também incluiu marchinhas antigas e sambas-enredo que fizeram sucesso na Sapucaí.

Domingo foi o último dia de folia de rua no Rio. Mais de 450 blocos desfilaram desde o pré-carnaval. A Riotur estimou que os blocos receberam 4,7 milhões de pessoas. Em balanço divulgado neste domingo, o órgão informou ainda que o carnaval carioca atraiu 977 mil turistas e movimentou US$ 782 milhões (R$ 2,236 bilhões) neste ano.

Vila Madalena. Em São Paulo, o controle de acesso às ruas mais movimentadas da Vila Madalena, na zona oeste, foi testado pelo primeira vez na noite de sábado, 21, e o público se dispersou dentro do horário previsto, sem grandes incidentes até a madrugada. O horário-limite estabelecido pela Prefeitura para a limpeza das vias era 1 hora de domingo, mas vários foliões deixaram o local por conta própria à meia-noite.

Por volta de 0h45, policiais militares formaram um cordão no cruzamento entre as Ruas Aspicuelta e Fidalga para começar a desocupação das ruas. Eram acompanhados por garis e funcionários da Subprefeitura de Pinheiros, que usavam um megafone para avisar ao público.

Essa foi a primeira vez que o controle de acesso foi feito pela PM na Vila Madalena, com bloqueios montados em ruas das imediações, a fim de manter um público de até 15 mil pessoas no “miolo” do bairro.

Na tarde deste domingo, ao som de Mamonas Assassinas, Mara Maravilha e Shakira, o bloco Vou de Táxi percorreu a Avenida Faria Lima, em Pinheiros. Segundo a PM, cerca de 6 mil pessoas estavam presentes – o bloco se propõe a recordar as músicas dos anos 1980 e 1990. “Temos mais de 30 anos, então são as músicas do nosso tempo”, afirmou Michele Iida, administradora de 32 anos, que foi acompanhar a festa. O desfile começou às 14 horas e foi até as 19 horas.

Tudo o que sabemos sobre:
CarnavalRio de JaneiroSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.