Monsenhor Calazans será enterrado em Paraibuna

O corpo do monsenhor Benedito Mario Calazans, foi trasladado, na tarde desta quarta-feira, para Paraibuna, no Vale do Paraíba, onde será celebrada missa de corpo presente no dia seguinte e, depois, sepultado no cemitério local. Ele faleceu em São Paulo, na manhã desta quarta, aos 95 anos, tendo o corpo sido velado na Lareira, entidade a serviço da família que ele fundou. Doutorado pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, onde se especializou em Filosofia Ética, Questões Sociais e Familiares e Sociologia, foi ordenado sacerdote em dezembro de 1934. Capelão da Aeronáutica, professor de Ética da Escola de Cadetes da Força Pública de São Paulo, lecionou Metafísica, Moral e Psicologia Educacional em diversos educandários. Eleito deputado estadual pela União Democrática Nacional (1950), foi presidente da Comissão de Educação e membro efetivo das Comissões de Assistência Social de Transportes. Reelegeu-se em 1954, tomando parte ativa na campanha presidencial, ao lado de Juarez Távora, como anteriormente apoiara o brigadeiro Eduardo Gomes. Em 1959, foi eleito senador, passando a participar dos debates do Plenário e do trabalho das Comissões de Educação e Cultura, que presidiu, de Finanças, de Legislação Social, do Serviço Público e de Redação. Foi vice-líder da bancada udenista. A partir da posse de Jânio Quadros, começou a discordar dele, pela linha da política internacional, de inspiração de esquerda, combatendo, por outro lado, os intérpretes suspeitos das encíclicas, demonstrando que a Mater et Magistra e a Pacem in Terris não faziam concessões ao socialismo essencialmente materialista.Em suas atividades sacerdotais foi desde vigário cooperador de Caçapava, até assistente diocesano e membro do Conselho de Presbíteros da Arquidiocese de São Paulo. Foi professor do Seminário, do Ginásio Diocesano e do Instituto de Filosofia de Taubaté, inspetor do ensino religioso da Arquidiocese de São Paulo, assistente da Juventude Universitária Católica - Seção da Escola Politécnica e da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Professor de Ética da Escola de Cadetes de Barro Branco, da então Força Pública de São Paulo, foi também capelão da Escola de Especialistas da Aeronáutica e professor de Religião da Escola Normal Padre Anchieta. Jornalista, colaborou no jornal O Lábaro e na revista Lareira de São Paulo. Tomou parte na Conferência do Rearmamento Moral em Caux, na Suíça, e representou o Brasil nas solenidades do octogésimo aniversário do Papa João XXIII.Ao longo dos anos, recebeu diversas honrarias e, entre outras, as Comendas das Ordens Tamandaré, Marinha e Aeronáutica; a medalha do Infante D. Henrique, da Princesa Leopoldina e do Movimento de Resistência Húngara.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.