"Monstro" é morto durante tiroteio em Atibaia

Procurado há um ano e oito meses, Anderson de Oliveira, de 27 anos, o "Monstro", foi cercado, nesta quarta-feira, pela Polícia Civil, na casa de seus pais em Atibaia, em São Paulo.Segundo a polícia, ele estava com dois revólveres calibre 38 nas mãos e reagiu. Morreu com um único tiro na cabeça.Monstro foi o homem que assassinou com uma rajada de metralhadora o delegado Luciano Heitor Beiguelman, supervisor do Grupo de Operações Especiais (GOE), na zona sul de São Paulo, em 2000. Desde então, uma equipe do GOE estava atrás dele, que participava de uma quadrilha de ladrões de carros importados.Dois outros acusados do assassinato, Carlos Eduardo Manão e Alecsandro Carvalho de Souza, já haviam sido presos e condenados pela morte do delegado - só Monstro, autor dos disparos, continuava foragido. Há dois meses a polícia alugou uma casa perto da residência dos pais do acusado. Os telefones da família de Monstro foram grampeados com autorização judicial.Além da morte do delegado, ele era apontado como o autor de roubos e homicídios. A polícia tinha informações de que ele circulava pela região de Atibaia com Mercedes-Benz e Cherokees roubados e havia tentado prendê-lo outras vezes, sem sucesso. Nesta quarta-feira de manhã, os policiais interceptaram um telefonema de Monstro para um comparsa no qual ele dizia que estava na casa dos pais e mais tarde buscaria um carro roubado que havia deixado em Guarulhos para levá-lo a São Paulo.Com medo de que ele escapasse, os policiais cercaram a casa. Comandados pelo supervisor em exercício do GOE, delegado Marcelo Jacobucci, os policiais do GOE, da Delegacia de Investigações Gerais de Bragança Paulista e da Delegacia de Atibaia mandaram que ele saísse.O acusado tentou pular o muro dos fundos, quando houve o primeiro tiroteio. Ele voltou para a casa e escondeu-se no quarto da mãe, onde foi encontrado.Segundo a polícia, ele reagiu. Baleado, foi levado ao pronto-socorro, onde morreu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.