Monza invade casa e fere 4 na zona norte de SP

Moradora acusa motorista de estar bêbado; ele diz que perdeu o freio

Marcela Spinosa, O Estadao de S.Paulo

29 de março de 2008 | 00h00

O ajudante de obras Isomar Silva Araújo, de 38 anos, assistia à televisão em casa, por volta das 22 horas de anteontem, com a família, quando um Monza prata invadiu a sala. O veículo desceu desgovernado a ladeira da Rua Tereza Carreiro, em Jova Rural, na zona norte de São Paulo, arrebentou um portão, cruzou um terreno baldio, atravessou um vão de dois metros e entrou na casa. Araújo, a cunhada dele, Pedrina Batista Rocha, de 42 anos, e a filha dela, de 20 anos, ficaram feridos. O motorista do Monza, o agente penitenciário José Xavier Rodrigues, de 55, também se machucou. Testemunhas disseram que ele estava bêbado, mas a polícia não confirmou a informação."Não deu tempo para nada. Quando ouvimos o estrondo, o carro entrou, bateu no sofá e foi empurrando tudo", recordou a mulher de Araújo, Noemia de Jesus Soares, 30 anos, que também estava na sala na hora do acidente, acompanhada de sua filha de 6 anos. A outra filha de 3 anos do casal dormia no quarto na hora do acidente. Com a força da batida, Araújo fraturou duas costelas. Pedrina teve ferimentos leves nas costas, e a filha dela torceu a perna. O motorista do Monza sofreu um corte na orelha, além de ferimentos leves nas costas. Todos foram levados para o Hospital São Luís Gonzaga, no Jaçanã, na zona norte, e liberados ao longo do dia.O impacto destruiu a televisão, DVD, aparelho de som, taças de vidro, espelho e os vidros das janelas da casa. Parte do muro da parede lateral também ficou destruída por causa da batida. "Estou com medo de morar aqui", disse Noemia. Segundo ela, o motorista Rodrigues estava bêbado. A mulher dele, a costureira Ivone Rodrigues, de 54 anos, não soube dizer se o marido estava alcoolizado. "Fiquei sabendo do acidente e, de casa, fui direto para o hospital, onde não pude visitá-lo porque ele estava em observação", contou.Segundo Ivone, Rodrigues tinha ido vender um terreno da família e voltava para casa quando perdeu o controle do carro. "Ele disse que o carro perdeu o freio e que ele não conseguiu segurá-lo", disse. "Ele ficou tão abalado que nem se lembra de ter invadido a casa." Ivone está preocupada com o pagamento dos prejuízos. "Não temos como reconstruir tudo de uma vez", afirmou. "Ainda bem que ninguém morreu." O caso foi registrado como lesão corporal no 73º Distrito Policial. Rodrigues deve ser ouvido na semana que vem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.