Morador registra barulho de ensaios no YouTube e Vai-Vai denuncia racismo

O publicitário Marcelo Vitorino, morador do Bexiga, é o autor de um dos vídeos mais polêmicos do YouTube acessados na internet ultimamente: trata-se do Vai-Vai me Deixar Dormir? Nele, Vitorino denuncia a tradicional escola de samba por desrespeitar a lei do silêncio, vender comida na rua e estacionar carros em locais proibidos. Nenhuma novidade para quem acompanha a velha pendenga, que tem como principais ingredientes o barulho da escola, os problemas de sono da vizinhança e, no fogo cruzado, a fiscalização da Prefeitura. Mas o problema não pára por aí. O que está "pegando" é o uso de um sucesso dos Originais do Samba como trilha sonora. No vídeo de Vitorino, o refrão da música Festa de Bacana ( "Se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão...") acompanha imagens de um ensaio da Vai-Vai. Tobias da Vai-Vai, o presidente da escola, considerou a edição preconceituosa e ofensiva. "O vídeo se refere a ícones afro-brasileiros (samba e carnaval) como sendo coisa de ladrão. Vamos processar Marcelo Vitorino por racismo", disse. "Imagina se ele fizesse a mesma coisa com a comunidade judaica? Tenho certeza de que já estaria preso."O advogado da Vai-Vai, Hédio Silva Junior, conta que já formalizou a denúncia na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi). "O vídeo trata todos os freqüentadores da quadra como marginais. O autor do vídeo vai ter de responder por tudo isso."Vitorino nega qualquer intenção discriminatória. "A música é só ilustrativa. Eu poderia ter usado um funk, qualquer outra música", disse. "Já fui chamado de nazista e neofascista por um jornal do bairro. Não é nada disso. A única coisa que fiz foi mostrar o sofrimento dos moradores com os ensaios da Vai-Vai." O vídeo foi gravado em dezembro passado. Vitorino diz que muitos moradores participaram da sua realização.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.