Moradora assaltada se queixa da polícia

Um grupo de 10 homens armados invadiu uma casa em um condomínio de luxo no Itanhangá, zona oeste do Rio de Janeiro na madrugada desta quarta-feira.Mesmo com os bandidos em casa, a proprietária, Carmen Viana, conseguiu telefonar para a delegacia da Barra da Tijuca e para o serviço de emergência da PM, mas disse que não recebeu ajuda."A pessoa que me atendeu na delegacia pediu que eu ligasse para a PM. Na PM, o telefone só dava ocupado", contou Carmem. O primeiro ladrão, afirmou, entrou por uma janela, mandando que as pessoas se deitassem no chão, e foi seguido por três comparsas. Ao mesmo tempo, outros quatro bandidos entravam pela escada do jardim, dois deles encapuzados. Havia seis empregados na casa. No momento em que o crime acontecia, policiais da delegacia da Gávea, zona sul, chegavam ao local, depois de ter recebido denúncia anônima sobre quatro carros suspeitos que rondavam a área. Com a presença da polícia, um dos criminosos, que havia rendido o porteiro do condomínio, fugiu. A polícia conseguiu prender Roberto Caetano da Silva, de 30 anos, ex-empregado de Carmem e integrante da quadrilha. Com ele foram encontradas jóias e um revólver calibre 38. Outros dois ladrões já foram identificados e um deles seria também um ex-empregado. Carros usados na ação foram recuperados. Na delegacia da Barra da Tijuca, a informação é de que um carro foi enviado à casa de Carmem após o pedido de socorro. O relações públicas da PM, coronel Nilton Lourenço, disse que o número de chamadas para o telefone de emergências da corporação supera as expectativas e que a grande quantidade de trotes sobrecarrega o sistema de atendimento.Uma secretária de 26 anos, tomada como refém em seqüestro-relâmpago, foi libertada pelos bandidos nesta madrugada, depois de 30 horas.Ela foi dominada por três homens armados dentro do Barrashopping, na Barra da Tijuca, zona oeste, e obrigada a sacar R$ 1.700 em um caixa eletrônico. Depois disso foi levada para uma casa em São Conrado, zona sul, e estuprada pelos bandidos.A polícia deve divulgar em breve os retratos falados dos criminosos. A secretária, cujo nome não foi divulgado, foi libertada na frente ao Teatro Municipal, no centro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.