Moradora de rua é incendiada e tem 70% do corpo queimado no Espírito Santo

Menor apreendido teria confessado o crime; mulher está internada em estado gravíssimo na cidade de Serra

Ítalo Reis, estadão.com.br

15 Março 2012 | 16h47

SÃO PAULO - Um adolescente de 16 anos foi apreendido nesta quinta-feira, 15, suspeito de ter incendiado uma moradora de rua nesta madrugada na cidade de Linhares, no norte do Espírito Santo. De acordo com a Polícia Civil, a mulher teve 70% do corpo queimado enquanto dormia numa quadra abandonada do bairro de Aviso.

Segundo o delegado Fabrício Lucindo Lima, chefe do Departamento de Polícia Judiciária (DPJ) de Linhares, a mulher de 64 anos dormia sobre colchões de espuma, quando o menor ateou fogo na vítima. As chamas se espalharam rapidamente. Outras pessoas que estavam na rua tentaram socorrer a mulher, mas, supostamente embriagada, ela não conseguiu deixar o local.

Marinalva Silva Alves foi levada para o Hospital Geral de Linhares e depois foi transferida para o Hospital Estadual Dório Silva, referência no tratamento de queimados, na cidade de Serra. A Secretaria de Saúde do Espírito Santo informou que a mulher está internada na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) em estado gravíssimo.

De acordo com o delegado, o jovem foi detido em casa e teria confessado o crime durante depoimento. Conforme Lima, o menor disse que cometeu o crime pois estava incomodado com o fato dos moradores de rua ficarem na região para dormir e usar drogas.

O pai do adolescente, que acompanhou o depoimento, estava transtornado, segundo o chefe do DPJ. "Ele não esperava que acontecesse isso com o filho dele, que estuda. Não sabia que o menino usava drogas. Ele só percebeu que o adolescente chegou transtornado em casa, e descobriu sobre o crime quando nós chegamos", disse Lima.

O menor será encaminhado para a Unidade de Internação Socioeducativa (Unis/Unip). O caso foi registrado como fato análogo de crime por tentativa de homicídio.

Outros casos. Para o delegado Fabrício Lima, os recentes casos que ocorreram em outras cidades podem ter incentivado o jovem a cometer o crime. "Foi a primeira vez que aconteceu aqui, e pode ser reflexo do que aconteceu em outras regiões. Isso pode ter potencializado a vontade desse adolescente", afirmou o chefe do DPJ.

No fim de semana, dois moradores de ruas foram assassinados com tiros na cabeça enquanto dormiam na cidade-satélite de Águas Claras, no Distrito Federal. Cerca de duas semanas antes, outros dois homens foram incendiados em Santa Maria, a 26 km de Brasília; um deles não resistiu e morreu.

No Rio, um morador de rua foi morto a pedradas na Penha, zona norte da cidade. Na Ilha do Governador, um jovem foi agredido ao tentar proteger outro morador de rua que era espancando por um grupo de jovens. No Recife, um homem de 35 anos teve 45% do corpo queimado enquanto dormia. Os suspeitos são um casal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.