Moradores avisaram Caixa sobre as irregularidades no condomínio

Ofício enviado ao banco em outubro de 2010 já alertava sobre calotes e dificuldades; nada foi [br]feito, diz associação

Edna Simão, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2011 | 00h00

BRASÍLIA

Onze dias antes do segundo turno das eleições, o governo federal foi avisado das irregularidades no primeiro empreendimento do Minha Casa, Minha Vida entregue a famílias com renda de até R$ 1.395, o Residencial Nova Conceição, em Feira de Santana (BA).

Conforme divulgado ontem pelo Estado, apesar de os beneficiários do Minha Casa, Minha Vida no Residencial Nova Conceição morarem há apenas seis meses no empreendimento já há casos de inadimplência, venda irregular de imóveis e "colonização" dos apartamentos por novos ocupantes. Um dos novos moradores, conforme registrou a reportagem, exibe até uma caminhonete Nissan Frontier na garagem improvisada.

No dia 20 de outubro, a Associação de Moradores entregou à Caixa Econômica Federal um ofício solicitando a lista de todos os contemplados pelo programa - com nome, apartamento e bloco - para ajudar na administração do condomínio. Nesse documento, a Caixa também foi informada sobre as dificuldades dos moradores em pagar a parcela mínima de R$ 50 e da falta de infraestrutura básica como escolas, creches, saúde e segurança no empreendimento.

Do total de 440 unidades habitacionais 50 já foram vendidas. Esse empreendimento é emblemático, pois recebeu visitas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e foi utilizado na campanha de Dilma Rousseff.

"Acreditamos que o Programa Minha Casa, Minha Vida é o melhor programa de habitação de todos os tempos, mas já podemos observar que faltou mais cautela em selecionar as famílias quando se pensou em condomínio (apartamentos). Diversas famílias já deixaram o local, pois, segundo elas, não têm estrutura financeira e nem psicológica para morar em condomínio", reforçou o ofício da associação.

"Não basta somente tirar as famílias das favelas e áreas de risco (...) Estamos com uma bomba chiando pronta para explodir a qualquer momento e alguém precisa fazer alguma coisa", acrescentam o presidente da associação, Edson dos Santos Marques, a secretária Fabiana Ferreira e a diretora social Cristiane Lopes, que assinam o ofício à Caixa.

No dia 22 de outubro, a Caixa enviou ofício à entidade informando que não poderia encaminhar a relação de moradores por serem dados sigilosos. Recomendo que procurasse a Secretaria de Habitação ou de Serviços Sociais de Feira de Santana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.