Moradores de favela acusam militares de causarem prejuízos

Os moradores do Morro da Providência, na região central do Rio, uma das favelas ocupadas na semana passada pelo Exército, vão se reunir na tarde desta segunda, 13, com representantes da Secretaria Estadual de Direitos Humanos e das ouvidorias das polícias Civil e Militar. Eles querem mostrar os estragos que dizem ter sido feitos pelos militares: caixas d´água quebradas, portas arrombadas e pertences pessoais destruídos.O Exército encerrou neste domingo, 12, a Operação Asfixia, iniciada há dez dias para recuperar dez fuzis e uma pistola roubados de um de seus quartéis. Os soldados saíram das quatro favelas que continuavam ocupadas: Providência, Mangueira, Metral e Complexo do Alemão. Moradores demonstraram satisfação com a saída dos soldados, comemorada pelo tráfico com fogos de artifício.O Comando Militar do Leste (CML) deve anunciar nesta segunda quais serão os novos rumos da operação de resgate das armas roubadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.