Moradores de favela querem usina de reciclagem em SP

Cerca de 100 moradores da favela do Buraco Quente fazem um protesto na avenida Água Espraiada, na zona sul da capital paulista, esta manhã. Os manifestantes reclamam do atraso da Prefeitura em ceder um terreno para o grupo comunitário chamado Alquimia, que pretende construir no local uma usina de reciclagem de lixo. O protesto é pacífico e os manifestantes acenam bandeiras brancas. De acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego, os manifestantes estão na altura do cruzamento das avenidas Água Espraiada e Casimiro de Abreu. Duas faixas estão interditadas e o trânsito é lento nas proximidades do local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.