Moradores de Londrina convivem com tremores de terra há 19 dias

Primeiros abalos, em 14 de dezembro, foram considerados de baixo nível; desde então, já foram registrados 19 tremores de terra

Julio Cesar Lima, especial para O Estado de S. Paulo

02 Janeiro 2016 | 21h29

CURITIBA - Moradores da cidade de Londrina, a 380 quilômetros de Curitiba, no Paraná, estão convivendo com tremores de terra há 19 dias. Ninguém sabe explicar o fenômeno.

Os primeiros abalos, registrados em 14 de dezembro - segundo estudo da Universidade de São Paulo (USP) - foram considerados de baixo nível. Desde então, já foram registrados 19 tremores de terra na região. A Guarda Municipal informou que repassará todas as denúncias para a Defesa Civil, que ainda não se manifestou sobre as ocorrências. Na tarde no primeiro dia do ano, houve abalos em três bairros da cidade.

Entre os moradores existe a suspeita de que as obras realizadas pela Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) possam ser responsáveis pelas oscilações. Em entrevista à Radio CBN, de Londrina, Armando Garcia, morador do Jardim Califórnia há 17 anos, afirmou que o problema se intensificou com as obras. "Faz tempo que está acontecendo isso, aumentou a frequência. Acho que está faltando vigilância", disse.

Logo após os primeiros registros de tremores, a Sanepar chegou a se manifestar e informou que sua obra na região estava sob controle. Além do Jardim Califórnia, os tremores também foram sentidos na Vila Brasil e Europa.

Mais conteúdo sobre:
tremorabalo sísmicoLondrina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.