Moradores de Maringá e Cascavel (PR) sentem tremor de terra

Abalos foram reflexo do terremoto registrado em Santiago Del Estero, a 800 quilômetros de Buenos Aires

Evandro Fadel, O Estado de S. Paulo

02 Setembro 2011 | 15h49

CURITIBA - Moradores de Maringá, no norte do Paraná, e de Cascavel, no oeste do Estado, acionaram o Corpo de Bombeiros na manhã desta sexta-feira, 2, para registrar a ocorrência de abalos leves nas edificações em que estavam. Em Maringá, um prédio precisou ser esvaziado no centro da cidade para que os bombeiros fizessem uma vistoria. Não foi observado nenhum problema estrutural e nem qualquer prejuízo material.

De acordo com o professor do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB), George Sand França, o que aconteceu no Estado foi um reflexo do terremoto de magnitude 6,7 na Escala Richter, registrado em Santiago Del Estero, a cerca de 800 quilômetros de Buenos Aires, na Argentina, e entre 1,5 mil e 1,8 mil quilômetros de Cascavel e Maringá. O abalo ocorreu a quase 600 quilômetros de profundidade e, segundo o professor, é comum que os reflexos sejam sentidos em locais distantes. "As ondas se propagam e são amplificadas na bacia sedimentar", disse. "Mas não devem causar nenhum pânico.

No entanto, os moradores de Maringá assustaram-se. "Sentimos as cadeiras mexendo e um pouco de tontura", disse a secretária da Receita Federal, Alessandra Mireli Brunholi. Ela estava no segundo andar do prédio de quatro andares. "Foi algo muito leve e demorou cerca de três segundos", ressaltou. Na mesma região central da cidade, o abalo atingiu um prédio de cinco andares. O alarme foi acionado e o prédio esvaziado para uma vistoria técnica. Quarenta minutos depois todos puderam voltar. "Houve tremor nas cadeiras e nas divisórias das ilhas, os computadores também se mexeram", disse a atendente de call center da Paraná Assistência Médica Sirlene Peres.

Mais conteúdo sobre:
tremor Maringá

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.