Moradores de Moema tentam impedir feira-livre

Há mais de um mês, moradores do bairro de Moema, na zona sul de São Paulo, estão lutando para que uma feira-livre não continue sendo montada na Alameda dos Aicás e na avenida Jurema. Por volta das 22h de ontem, uma moradora do edifício Atlantis, cujo nome não foi divulgado, jogou nas duas ruas, onde a feira vem sendo instalada, um produto químico em pó, que espalhou um cheiro muito forte em ambas as vias. O odor é parecido com o da creolina, um tipo de desinfetante líquido. Os feirantes, no entanto, estão se instalando normalmente na via, apesar do forte cheiro. Algumas faixas nos edifícios trazem frases como "Queremos a qualidade de vida de volta em nossa rua" e "Não queremos a feira-livre, proteja nossas árvores e nossa rua, não compre". A feira funcionava na Avenida Divino Salvador, nop mesmo bairro, mas, por determinação da Secretaria Municipal de Abastecimento, o local de instalação das barracas foi alterado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.