Moradores de rua estão apavorados após a morte de três

O número de moradores sem-teto no centro de São Paulo nesta quinta-feira era visivelmente menor do que o habitual, após a notícia das mortes de três companheiros durante a madrugada ter se espalhado. No 1º DP, na rua da Glória, o escrivão disse que ?os mendigos devem ter ficado com medo e foram embora, eles não apareceram hoje?. Os poucos moradores que estavam no centro e que sabiam da notícia, ficaram assustados e já preparavam a retirada. David Teixeira Alves estava assustado. ?Amanhã mesmo vou para Itapecerica da Serra, não vou ficar aqui no centro?, afirmou. Nos três pontos onde aconteceram as agressões, nas ruas Tabatinguera, esquina com a rua Anita Garibaldi; 15 de Novembro, com a rua Direita, e Praça Dom José Gaspar, a Prefeitura de São Paulo levou coroas de flores e uma faixa escrita: ?Assassinados pela intolerância. Marta Suplicy, prefeita de São Paulo?. Quem passa em frente a coroa já sabe o que aconteceu, e o que mais se ouve no Centro da cidade é ?aqui morreram não sei quantos?. Além dos três moradores de rua que morreram, mais cinco vítimas continuam internadas. Um deles conseguiu se identificar como Messias Rodrigues Moreira. Três estão em coma, sendo que dois já foram operados. O procurador geral da Justiça Rodrigo Cesar Rebello Pinho designou dois promotores de Justiça para acompanhar as investigações. A polícia trabalha com a hipótese de uma ação organizada por grupos de extermínio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.