Moradores do Complexo do Alemão vão mapear pontos de interesse na web

Jovens usarão celulares com GPS e receberão auxílio de R$ 230 por mês

Felipe Werneck, O Estado de S. Paulo

09 Agosto 2011 | 18h47

RIO DE JANEIRO - Dezesseis jovens moradores do Complexo do Alemão, na zona norte do Rio, foram selecionados para mapear pontos de interesse da comunidade na internet. Munidos de celulares com GPS, eles vão receber um auxílio mensal de R$ 230 por seis meses, tempo previsto para a conclusão do trabalho.

 

O Programa Rede Jovem iniciou em 2009 um projeto que já resultou no mapeamento parcial de outras cinco favelas nas zonas norte (Vila Cruzeiro e Maré), sul (Santa Marta e Pavão/Pavãozinho) e oeste (Cidade de Deus). No Alemão, a iniciativa ganhou o patrocínio de uma empresa de telefonia após a ocupação por forças de segurança iniciada no fim de 2010. Será, portanto, uma expansão do projeto Wikimapa (wikimapa.org.br) para as 16 comunidades do complexo e adjacências. A localização exata de ruas e vielas, lojas, bares, feiras, lan houses, igrejas, ONGs, áreas de lazer e de atividades culturais, entre outros pontos, começará a ser marcada hoje pelo grupo.

 

Morador da comunidade da Grota, Raul Santiago da Silva, de 22 anos, trabalha no grupo Descolando Ideias, que desenvolve projetos de comunicação, sustentabilidade e turismo no Alemão. "Quando soube da novidade, me cadastrei e fui selecionado", ele conta. Depois da pacificação, Raul começou a atuar como monitor em visitas guiadas no Alemão. "Vai ser importante para apresentar a comunidade, vai facilitar. Eu também vou poder conhecer pontos que hoje não conheço. Vai estar tudo com um link na rede."

 

Para o realização do trabalho, será usado um aplicativo móvel desenvolvido pela ONG. Mas o conhecimento dos jovens selecionados, chamados de "wiki-repórteres", é o mais importante. "Existem comunidades no Alemão que não têm uma rua sequer marcada. No mapa, é como se não existissem", diz a antropóloga Patrícia Azevedo, coordenadora estratégica do Rede Jovem. Ela é responsável pelo desenvolvimento e gerência de projetos voltados para o uso da tecnologia com fins sociais. "Também vamos marcar projetos que nasceram aqui como o Descolando Ideias e o Raízes em Movimento, tocados por jovens, que promovem o desenvolvimento local e não têm visibilidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.