Moradores fecham pista de avenida contra desapropriações do Metrô

"Não vamos deixar o Metrô nos levar para o buraco" foi o lema escolhido por cerca de 200 comerciantes e donos de imóveis do bairro de Santo Amaro, na zona sul, que no início da tarde de ontem fecharam uma das pistas da Avenida Adolfo Pinheiro, região do Largo 13 de Maio, em protesto contra as desapropriações de 141 imóveis. Ali será construída a Estação Adolfo Pinheiro da Linha 5-Lilás.A manifestação, pacífica, foi acompanhada pela Polícia Militar e durou cerca de 15 minutos. Todas as 98 lojas da Galeria Borba Gato, que será inteiramente desapropriada, fecharam. Nas vitrines, havia cartazes contra a desapropriação. Um supermercado baixou as portas para que os funcionários se juntassem ao protesto. Até o fim da semana, o Metrô começa a ajuizar as primeiras ações de desapropriação. Segundo o diretor de Assuntos Corporativos da Companhia do Metropolitano, Sérgio Avelleda, não há nenhuma possibilidade de modificação do projeto da estação. "O local foi escolhido depois de minuciosos estudos de demanda e vamos pagar pelos transtornos."Os moradores rebatem dizendo que, a 50 metros da área, há um terreno que pertence à Eletropaulo e uma praça, cujas desapropriações trariam muito menos impacto. Uma parte do prédio onde ficam a unidade de pronto-atendimento e os ambulatórios de especialidades da Santa Casa de Misericórdia de Santo Amaro também será desapropriada. O hospital não participou do protesto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.