Moradores incendeiam ônibus durante protesto no Vidigal

Um grupo formado por cerca de cem moradores do Morro do Vidigal fechou a avenida Niemeyer e incendiou um ônibus na noite desta sexta-feira. O menor A.P.B., de 16 anos, que segundo policiais do 23.º Batalhão (Leblon) estaria participando do ato de vandalismo, sofreu queimaduras e foi levado para o Hospital Miguel Couto, no Leblon, zona sul, onde está sob custódia policial. Ele é morador da área onde o ônibus foi queimado e, de acordo com o delegado Carlos Alberto Nunes Pinto, da 15.ª DP (Gávea), deve prestar depoimento na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), assim que tiver alta. Nunes afirmou que as queimaduras sofridas pelo menor não são graves.Segundo a polícia, o protesto ocorreu por volta das 20 horas, perto do motel Shalimar, e teria sido motivado pela morte de um traficante em tiroteio com policiais militares do 23.º Batalhão (Leblon) durante a manhã. O ônibus atacado é da linha 521 (Vidigal-Metrô Botafogo) e pertence à empresa Amigos Unidos. O motorista contou ao delegado, que antes de incendiarem o coletivo, os agressores ordenaram que todos descessem do veículo. Bombeiros do quartel da Gávea foram para o local. Além dos PMs do 23.º Batalhão, homens da Delegacia de Capturas Sul e do Batalhão de Operações Especiais (Bope) ocuparam a favela. Policiais da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) interditaram por mais de uma hora a avenida Niemeyer, que liga o Leblon a São Conrado, provocando engarrafamento. Um inquérito foi aberto na 15.ª DP para investigar o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.