Moradores reclamam de policiamento em Bertioga

Caseiro do hotel pediu socorro, mas PM chegou 1h40 depois ao local

Bárbara Souza, O Estadao de S.Paulo

22 de novembro de 2008 | 00h00

Moradores e comerciantes atribuem a falta de policiamento à onda de violência em Bertioga, na Baixada Santista. "É revoltante, porque temos três viaturas e sete policiais para tomar conta de uma extensão maior que Santos", disse a dona do hotel Costa do Sol, Iara Franco Leal Romero. Segundo ela, foi a primeira vez que seu estabelecimento foi assaltado desde a inauguração. Mas relatos de criminalidade no condomínio Costa do Sol, onde fica o hotel, não são novidade."A casa onde trabalho já foi assaltada dez vezes", diz uma caseira que não quis se identificar.Segundo ela, a filha de 3 anos está traumatizada e não dorme direito desde o último assalto, há quatro meses. "Eles colocaram a arma na cabeça da menina e disseram que a matariam se eu não desse o dinheiro. Eu não tinha nada, então levaram meu DVD", disse a caseira.No assalto ao hotel, a quadrilha não agrediu nenhum hóspede, mas ameaçou matar uma criança caso não recebesse dinheiro. Segundo Iara, o caseiro do hotel conseguiu telefonar para a polícia assim que os bandidos dominaram o porteiro, mas o socorro chegou somente 1h40 após o primeiro chamado. "Quando a polícia chegou, já tinha terminado tudo." A ação dos ladrões, segundo as testemunhas, durou 1h30.Após deixar o hotel, os bandidos passaram pela portaria do condomínio. Os vigias já haviam sido avisados do assalto, mas alegam que não conseguiram interceptar os bandidos porque trabalham desarmados. Os dois carros de hóspedes roubados foram abandonados na Rodovia Rio-Santos, perto do condomínio. As chaves dos veículos, porém, foram jogadas fora. A reportagem não conseguiu contato com a polícia local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.