Moradores revoltados depredam 56 ônibus em Porto Seguro

Cerca de 4 mil moradores de um bairro periférico de Porto Seguro, um dos principais destinos turísticos da Bahia, destruíram ontem 56 dos 60 ônibus da Viação Expresso Brasileiro, além de depredarem a sede da empresa e a casa do gerente Hugo Amaral. Por causa disso, Porto Seguro amanheceu hoje sem transporte coletivo e com a presença da Tropa da Choque da Polícia Militar para garantir a segurança.Os moradores do bairro de Baianão ficaram revoltados com o atropelamento de duas estudantes, Ismênia Costa, de 17 anos, e Eliana Souza Costa, de 15, pelo motorista Adilson José de Almeida. O acidente ocorreu na tarde de ontem, em uma ladeira do Baianão, onde moram 30 mil pessoas. As garotas transitavam numa bicicleta, teriam se desequilibrado e caído na frente do ônibus. Ismênia morreu na hora, Eliana sofreu ferimentos graves e foi levada para o hospital de base de Porto Seguro, onde permanece internada.Minutos depois do acidente, um grupo de moradores passou a depredar o ônibus. O motorista Almeida, temendo ser linchado, fugiu. Mais dois veículos da Expresso Brasileiro foram depredados e incendiados no bairro. Em seguida uma multidão se dirigiu até a sede da empresa, num trecho da rodovia BR-367, acesso rodoviário de Porto Seguro, e passaram a atirar pedras. Vigilantes tentaram rechaçar o ataque a tiros, mas não conseguiram. Os 25 policiais militares chamados ao local foram recebidos a pedradas e tiros. No confronto, nove pessoas saíram feridas, mas os manifestantes não arredaram pé do local. À noite eles conseguiram finalmente entrar na empresa e passaram a destruir todos os ônibus que se encontraram na garagem. Alguns moradores assumiram o volante dos veículos e os arremessaram uns contra os outros, até juntarem todos numa grande fogueira.Depois, invadiram as dependências da empresa, saquearam o local e destruíram tudo. Somente por volta das 22h, com a chegada de reforço policial das cidades vizinhas, a desordem foi contida. O governador Otto Alencar deslocou de Salvador 76 homens da Tropa de Choque da PM, que passaram a fazer a segurança de Porto Seguro a partir da madrugada de hoje. A Delegacia de Polícia da cidade abriu inquérito para apurar o caso. O motorista Almeida, que se apresentou na delegacia na noite de ontem, foi preso em flagrante. Os policiais tentam identificar os líderes da revolta.Segundo o diretor da Expresso Brasileiro, Márcio Carlito, o prejuízo estimado é de R$ 15 milhões. Ele detalhou que cada um dos veículos destruído custou R$ 130 mil. A empresa tem uma frota de 520 veículos, explorando o transporte coletivo em vários municípios do extremo-sul baiano. Carlito criticou a polícia, classificando de "omissa" sua atuação no episódio. Segundo o diretor, os ônibus voltam a circular hoje amanhã em Porto Seguro, com a proteção da Tropa de Choque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.