Reprodução
Reprodução

Moraes só menciona novo massacre 2h após início de apresentação de plano

Em sua apresentação, ele fez críticas ao sistema prisional do País e classificou o massacre em Manaus de 'barbárie'

Isadora Peron, Rafael Moraes Moura, Erich Decat, Cyneida Correia, O Estado de S.Paulo

06 Janeiro 2017 | 12h06

BRASÍLIA - Nas primeiras duas horas de apresentação sobre o plano nacional de segurança elaborado pelo governo federal, o ministro da Justiça, Alexandre de Moares, não fez nenhum comentário sobre o novo massacre em Roraima desta sexta-feira, em que 31 presos foram mortos.

Em sua apresentação, ele fez críticas ao sistema prisional do País e classificou o massacre no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, de "barbáries". "Sistema penitenciário não é ruim de agora. Isso não é algo que se melhora de um dia para outro. Não é passe de mágica", disse. 

Moraes chega a Roraima na tarde desta sexta-feira, 6. Do Aeroporto Internacional Atlas Cantanhede, ele deve seguir para o palácio do governo, para uma coletiva de imprensa. Moraes chega em Boa Vista em um avião particular. 

O Ministério informou que Moraes manteve contato com a governadora Suely Campos, que vai recepcionar o ministro da Justiça. Eles serão escoltados por policiais militares e civis na saída do aeroporto. Uma reunião entre as autoridades deve ocorrer antes da coletiva.

Ao todo, 33 pessoas foram mortas em conflitos no presídio de Roraima, da madrugada desta sexta-feira, 6. O episódio é considerado o "maior massacre da história do sistema prisional de Roraima".

Em outubro, 10 presos foram mortos em sistema prisional de Roraima durante uma briga de facções.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.