Mordaça no ''Estado'' é citada como reveladora

A professora da USP Cremilda Medina classificou a censura ao Estado como "caso emblemático" das relações do Poder Executivo, Legislativo ou Judiciário com os meios de comunicação no momento atual da América Latina em que há, em vários países, ataques à liberdade de expressão. As declarações foram dadas durante o lançamento do livro Liberdade de Expressão - Direito à informação nas sociedades latino-americanas (Imprensa Oficial) na Livraria Cultura do Shopping Bourbon, em São Paulo.

Moacir Assunção, O Estado de S.Paulo

29 Outubro 2010 | 00h00

A obra, organizada por ela, é fruto de seminário no Memorial da América Latina. O livro traz relatos de Adrian Padilla, da Venezuela, sobre as agressões contra a imprensa naquele país, e de Dario Piñata sobre a tensa relação da presidente Cristina Kircher com a imprensa na Argentina. No caso do Estado, o jornalista José Maria Mayrink apresenta a história da censura ao jornal desde 31 de julho de 2009.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.