Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Moro determina que PF investigue mortes em presídios de Manaus

De acordo com o ministro, há indícios de que a organização criminosa conhecida como Família do Norte, que tem ramificações em outros estados, tenha ordenado os assassinatos no presídio em Manaus

Agência Brasil, O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2019 | 08h13

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, pediu nesta quarta-feira, 29, que a Polícia Federal instaure inquérito para investigar as 55 mortes ocorridas desde o final de semana em presídios de Manaus.

De acordo com o pedido, os crimes ocorridos representam grave violação de direitos humanos. "Além disso, há interesse da União na repressão de organizações criminosas com atuação em mais de um estado da federação, bem como na repressão ao tráfico internacional de drogas", diz a pasta em nota.

Segundo o texto, há indícios de que a organização criminosa conhecida como Família do Norte (FDN), que tem ramificações em outros estados, tenha ordenado os assassinatos no presídio em Manaus.

De acordo com o Departamento Penitenciário Nacional (Depen), do Ministério da Justiça e Segurança Pública, nove detentos do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) já foram transferidos para o presídio federal do Distrito Federal. A previsão é que, para quinta-feira, 30, mais 17 membros sejam transferidos para os complexos do sistema penitenciário federal, totalizando, 26 presos. Os integrantes de organizações criminosas foram identificados pela área de inteligência do Depen em conjunto com as forças de segurança locais.

Até o início da noite desta quarta-feira, o Depen ainda aguardava a ordem judicial da Justiça do Amazonas autorizando as transferências, informou o ministério. Após esse deferimento, os pedidos serão submetidos aos juízes responsáveis pela execução penal dos presídios federais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.