Sebastião Moreira/Estadão
Sebastião Moreira/Estadão

Morre a antropóloga Alba Zaluar

Causa da morte não foi informada; Alba Zaluar tinha 77 anos e era uma das mais importantes pesquisadoras da antropologia urbana e da violência no Brasil. Velório acontece nesta sexta-feira, 20

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2019 | 18h54

RIO DE JANEIRO - Uma das mais importantes pesquisadoras da antropologia urbana e da violência no Brasil, a antropóloga Alba Zaluar, de 77 anos, morreu nesta quinta-feira, 19, no Rio. A causa da morte da estudiosa, que era pesquisadora associada do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), não foi informada.

Ao longo da carreira acadêmica, Alba publicou dezenas de artigos, livros e estudos sobre a violência no Brasil. Entre seus principais trabalhos estão pesquisas sobre a violência na Cidade de Deus, favela na zona oeste do Rio, iniciados ainda na década de 1980, época em que desenvolveu sua tese de doutorado.

A pesquisadora também era uma referência no estudo sobre quadrilhas de traficantes do Rio de Janeiro. Em 2017, em parceria com o psicanalista Luiz Alberto Pinheiro de Freitas, publicou uma biografia de Ailton Batata, famoso traficante da Cidade de Deus.

O velório de Alba Zaluar acontecerá nesta sexta-feira, 20, na Capela 6 do Cemitério São João Batista, na zona sul do Rio, a partir das 10h. O sepultamento está previsto para às 13h. 

Tudo o que sabemos sobre:
Alba Zaluarantropologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.