Morre aluno atingido por bala perdida em Ciep no Rio

Menino de 11 anos foi baleado no peito quando estava dentro da sala de aula em Barros FIlho; troca de tiros ocorreu durante operação no Complexo da Pedreira

Solange Spigliatti, do estadão.com.br

16 de julho de 2010 | 12h26

Policiais militares interromperam uma manifestação de moradores da Favela da Lagartixa, em protesto pela morte do estudante Wesley Rodrigues de Oliveira

 

SÃO PAULO - Morreu na manhã desta sexta-feira, 16, o menino Wesley Gilber Rodrigues, de 11 anos, atingido por uma bala perdida durante tiroteio por volta das 9 horas, dentro de uma sala de aula, segundo informações da Secretaria Estadual de Saúde.

 

O aluno estava dentro e uma unidade Centro Integrado de Educação Pública (Ciep), Rubens Gomes, em Barros Filho, no subúrbio do Rio, quando foi atingido no peito por um tiro. Wesley foi encaminhado pelos professores ao Hospital Estadual Carlos Chagas, onde chegou morto, segundo a Secretaria da Saúde.

 

Segundo a Polícia Militar, a troca de tiros ocorreu durante operação no Complexo da Pedreira, deixando seis suspeitos mortos, com idades entre de 20 a 30 anos. Dois homens foram presos nove caça-níqueis foram apreendidos além de uma carabina, uma submetralhadora, 3 pistolas, um revólver e drogas.

 

Por conta do incidente, a Secretaria Municipal de Educação suspendeu as aulas da escola nesta sexta-feira. Na próxima segunda-feira, 19, uma equipe do Programa Interdisciplinar de Apoio às Escolas Municipais (Proinape) irá à unidade escolar para conversar com as crianças e professores.

 

Policiais da Divisão de Homicídios da Polícia Civil encontram-se, neste momento, no CIEP, em Costa Barros, Zona Norte do Rio, onde realizam uma minuciosa perícia para investigar as circunstâncias em que o estudante de 11 anos morreu, após ser baleado, e de onde partiu o disparo. A Polícia Civil só irá se pronunciar sobre o caso após a conclusão do inquérito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.