Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Morre aos 56 anos Máximo Erico Tomei, funcionário do Grupo Estado

Paulistano da Freguesia do Ó trabalhou por 26 anos no Estadão e deixa esposa e duas filhas. Ele estava internado em um hospital da capital e não resistiu a complicações da covid-19

Wesley Gonsalves, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2021 | 19h42

Morreu nesta terça-feira, 1º, aos 56 anos, Máximo Erico Tomei, atendente de televendas e funcionário por 26 anos do Grupo Estado. Ele foi vítima da covid-19. Com sintomas de resfriado, precisou ser internado em um hospital da capital e não resistiu. O paulistano da Freguesia do Ó, que havia recebido a primeira dose da vacina em 14 de maio, deixa a esposa Marcilia, as filhas Laís e Larissa e o cachorro Bolota. 

Em junho de 1995, aos 30 anos, Tomei iniciou sua história dentro do Estadão, trabalhando como operador de anúncio de telemarketing. Foi vendedor de classificados, atendente de publicidade de televendas e recentemente ocupava a função de atendente de televendas II.

Com o sonho de ser professor, ele precisou abandonar o curso de Sociologia na USP para cuidar da esposa e da filha recém nascida. Quando não estava trabalhando, o torcedor do Palmeiras gostava de se dedicar à produção de cerveja artesanal, a Heavy Malte, como ele chamava. 

Máximo era conhecido em casa por sua dedicação à família. Para a primogênita, Lais Tomei, de 26 anos, o que fica são as lembranças de amor. "Perdemos nosso pai, marido, cunhado, tio e amigo. Ele era a pessoa que unia com amor toda a nossa família", diz. A filha ainda faz um apelo para que todos se protejam neste momento de pandemia. "Só a vacina salva, usem máscara, se cuidem e cuidem dos seus."

Sua partida traz um vazio na vida dos familiares, amigos e colegas de trabalho. Silvani Souza, que trabalhava há 26 anos com Máximo dentro da equipe de telemarketing, destaca uma de suas maiores qualidades: a generosidade. "Era um cara super dedicado, responsável e excelente funcionário. Alguém que estava sempre à disposição para ajudar, que fazia toda diferença no nosso time", relembra.

A diretoria executiva do Grupo Estado lamentou a perda do funcionário. "É com muita tristeza que recebemos a notícia do falecimento do nosso colaborador Máximo Erico Tomei, 56 anos, no dia 1 de junho, em decorrência da covid-19. Máximo trabalhou por 26 anos no Estadão, onde atuava como atendente de Televendas (Classificados) no Mercado Anunciante. Manifestamos nosso profundo pesar e nos solidarizamos com todos os colegas de equipe, com seus familiares e amigos", diz. 

Em respeito aos protocolos contra covid-19, a família optou pela cremação. Para a última homenagem, a esposa e as filhas pediram a todos os conhecidos que, às 14h desta quarta-feira, 2, realizassem uma oração como forma de despedida de Máximo. 

Tudo o que sabemos sobre:
coronavíruscoronavírus [pacientes]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.