HELVIO ROMERO / ESTADAO
HELVIO ROMERO / ESTADAO

Morre aos 73 anos o jornalista Moacir Japiassu

Japi, como era conhecido, trabalhou por 5 décadas nas principais redações do País; nesta quarta, não resistiu ao um novo derrame

O Estado de S. Paulo

04 Novembro 2015 | 18h52

Jornalista por cinco décadas nas principais redações do País, morreu nesta quarta-feira, 4, na Santa Casa de Cunha, interior paulista, o paraibano-mineiro-paulista - e vascaíno roxo - Moacir Japiassu. Aos 73 anos, os últimos 40 em São Paulo, Japi, como o chamavam todos, não resistiu no final da manhã a um novo derrame - havia sofrido o primeiro em setembro. O sepultamento será nesta quinta-feira de manhã, no jazigo da família no cemitério municipal de Cunha. Deixa a mulher, Marcia Lobo, o filho Daniel - ambos também jornalistas -, nora e três netas. 

"Meu ruivo adorado foi embora", escreveu Marcia no Facebook. "A última coisa que me disse foi que queria morrer. E, como era do seu temperamento, fez o que achou melhor", dizia ainda a mensagem."Além do pai, perdi o meu professor de jornalismo", resumiu Daniel. Japi havia sofrido um derrame dia 12 de setembro e foi submetido a uma cirurgia em São José dos Campos. Apresentou melhoras, mas não conseguiu voltar a falar. Comunicava-se, nas últimas semanas, por gestos ou recados escritos.

Ainda jovem, Japi mudou-se com a família para Belo Horizonte e depois foi para o Rio, antes de se instalar em São Paulo. Sua carreira, iniciada no Diário de Notícias, em BH, passou por Estadão, Jornal da Tarde, Isto É, Veja, Senhor e o Fantástico da TV Globo. Em seus últimos tempos, divertia-se caçando notícias estranhas ou erros de todo tipo na mídia, com os quais alimentava a coluna "Perdão, Leitores", da revista Imprensa, e depois o Jornal da Imprença, do Portal Comunique-se. 

Em certo momento, entre tantas crises no País, afirmou: "No Brasil, a realidade é tão impressionante, sórdida, canalha, que já pode ser considerada ficção".

Chefe a grande amigo dele nos idos do Jornal do Brasil, Alberto Dines o considerava um condutor de valores. "Japi foi um talento único, que fez uma transição geracional no jornalismo da geração anterior, atualizando o olhar e a linguagem. Uma tarefa essencial, daquelas que tornam uma pessoa perene. 

O diretor de jornalismo da Band TV, Fernando Mitre, que conviveu com Japiassu em Belo Horizonte e depois foi seu chefe no Jornal da Tarde, relembra: "Quando comecei em Minas, não tive nenhuma dificuldade em encontrar minha referência: era Japiassu, o mais talentoso de todos nós. Texto sempre inspirado, brilhava e nos estimulava todos os dias. Marcou as redações por onde passou como brilhante jornalista e ótimo colega."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.