Morre criança atingida em tiroteio em Minas

Um menino de oito anos morreu no início da noite desta quarta-feira, 30, após ser baleado na cabeça durante um tiroteio ocorrido na tarde de terça-feira em frente a uma escola estadual em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte.O garoto havia perdido massa encefálica e foi internado em estado gravíssimo no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, na capital mineira.Outras quatro pessoas, entre elas uma menina de 10 anos e uma aposentada de 64, também foram atingidas. Ramon Alves de Almeida, 24 anos, apontado pela polícia como o alvo dos disparos, permanece internado em estado grave no pós-operatório do HPS.De acordo com o delegado seccional de Santa Luzia, Islande Batista, tudo indica que o episódio tenha sido provocado por uma tentativa de "acerto de contas". Segundo ele, Ramon é acusado de homicídio e chegou a ficar preso temporariamente por 30 dias depois de ser autuado por porte de armas. "Quando ele saiu da cadeia, começou a receber ameaças sem saber de quem."O delegado acredita que pessoas ligadas à suposta vítima tenham tentado se vingar de Ramon, que mora próximo à Escola Estadual Afonsino Altivo Diniz, no bairro São Benedito, em Santa Luzia. Pelo menos duas pessoas dispararam quando ele passava em frente ao portão da escola, justamente no momento em que as crianças saíam, por volta das 15h30.A aposentada Maria Luíza de Oliveira foi atingida no ombro direito. Ela foi transferida nesta quarta-feira para o Hospital Galba Ortopédico. Uma menina de 10 anos, alvejada na barriga, recebeu alta durante a tarde. Uma quinta vítima, identificada como Alex Rodrigues dos Santos - que seria irmão de Ramon -, foi atingida na perna. Mas não havia informações sobre onde ele foi socorrido. Conforme o HPS João XXIII, Ramon respirava com a ajuda de aparelhos e corria risco de morrer.A Polícia Militar prendeu nesta quarta-feira quatro suspeitos - entre eles dois menores - e apreendeu com eles dois revólveres, calibres 32 e 38. Mas a participação deles no tiroteio não foi confirmada pelo delegado. "Não tem elementos, não tem nada que comprove, a princípio, que eles tenham participado desse ato criminoso", disse Batista.Além dos dois autores dos disparos, a polícia procurava por outros dois suspeitos de darem cobertura à tentativa de homicídio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.