Morre jovem ferida em acidente de ônibus

O acidente com um ônibus biarticulado, no bairro de Santo Amaro, na zona sul de São Paulo, deixou uma pessoa morta, na manhã desta terça-feira, 11. Uma jovem de 23 anos morreu, com politraumatismos por todo corpo. A identidade dela, que estava entre as sessenta pessoas feridas no acidente, não foi divulgada, pois ela deu entrada sem documentação no Pronto Socorro Regional Sul. Há outro ferido em estado grave, também com politraumatismos e fratura na perna. O ônibus saiu da Avenida Vicente Rao e estava na alça de acesso para a Avenida Vereador José Diniz, quando tombou, por volta das 8 horas, no momento em que fazia uma curva. O número de passageiros dentro do ônibus no momento do acidente ainda é incerto. A SPTrans, empresa que gerencia o transporte coletivo na cidade, chegou a afirmar que havia 200, mas as equipes do Corpo de Bombeiros contaram algo em torno de 70 pessoas. Segundo a empresa, o veículo fazia a linha 6455 Terminal Capelinha-Largo São Francisco.As duas partes dianteiras do veículo caíram na rua sob a alça. Vinte equipes do Corpo de Bombeiros e oito carros da Polícia Militar foram encaminhados para o local. FeridosO ferido em estado grave e os outros com ferimentos leves foram encaminhadas ao Hospital das Clínicas, Hospital São Paulo, Santa Casa de Santo Amaro, Regional Sul e Pronto Socorro de Santo Amaro.A auxiliar de serviços gerais Valdira Liberato de Sousa, de 51 anos, estava no terceiro compartimento do ônibus e acordou com o barulho. "Estava dormindo e acordei com um grande barulho. Havia muita gente deitada no chão e consegui sair por uma das portas." Valdira afirmou que não sabe dizer se o motorista seguia em alta velocidade.Uma parte do ônibus caiu na rua e destruiu parcialmente o muro de uma casa na Rua da Prata. No momento do acidente, a dona de casa Vilma Fernandes Cardia, de 72 anos, moradora da residência atingida, disse ter ficado chocada. "Escutei o barulho e vi o muro todo destruído. Fiquei perturbada."Primeiros SocorrosA vizinha de Vilma, Sílvia Maria da Rosa, de 55 anos, foi uma das primeiras a socorrer as vítimas. "Liguei imediatamente para o 190, mas o resgate demorou uns 15 minutos para chegar". Sílvia disse ainda que os moradores da rua já reclamam há algum tempo da passagem de veículos grandes pela alça de acesso. "Isso aqui não tem condição. Sempre passam cegonheiras - caminhões de grande porte - e derrubam galhos de árvores", reclamou Sílvia.Sérgio Ricardo Moretti, capitão do Corpo de Bombeiros, que chegou ao local logo após o acidente, afirmou que a situação poderia ter sido bem pior. "Pela visão que tive quando cheguei, foi realmente muita sorte termos só dois feridos graves".A alça de acesso, que estava interditada desde as 8 da manhã, devido o acidente, foi liberada às 13h20, de acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). O tráfego volta ao normal na região. Policiais civis estiveram no local para a realização da perícia que esclarecerá as causas do acidente. Outro acidenteUm outro acidente recente também envolveu a Viação Campo Belo no último dia 9 de maio na Avenida 23 de Maio, na zona sul de São Paulo. Coincidentemente, o veículo também fazia a linha Terminal Capelinha - Largo São Francisco. Um ônibus fretado da Gracimar Transportes e Turismo transportava funcionários do Hospital Albert Einstein, que haviam acabado de sair do serviço e bateu na traseira do ônibus de linha. No acidente, 47 pessoas ficaram feridas, porém, todas estavam no ônibus fretado. Nenhum dos 15 passageiros do ônibus da Viação Campo Belo ficou ferido.Matéria alterada às 14h00 para atualização de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.