Morre mais uma vítima de queda de marquise de universidade

A bióloga Amanda Lucas Gimeno, 22 anos, de Ribeirão Preto (SP), morreu nesta quinta-feira à tarde devido a traumatismo craniano. Ela é a segunda vítima fatal do desabamento de uma marquise na Universidade Estadual de Londrina (UEL), domingo à tarde, durante o credenciamento para o 26º. Congresso Brasileiro de Zoologia, que seria aberto à noite. A outra vítima, que morreu na hora, foi o mineiro João César Eugênio Boscoli Rios, de 21 anos. Ele era estudante da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto.A queda da marquise deixou outras 17 pessoas feridas. Cinco continuam internadas em hospitais de Londrina. Carla Poleselli Bruniera, com fratura na bacia, foi transferida para Ribeirão Preto e Nicole Veiga Sydney, em estado grave devido a politraumatismo, foi transferida hoje à tarde para Curitiba, onde reside. Os demais não correm risco de morte, mas Claire Clara Borges Jézéquel e João Paulo Basso Alves, ambos estudantes da USP em Ribeirão Preto, tiveram uma das pernas amputada.A morte de Amanda foi anunciada minutos antes do início de um culto ecumênico promovido pela UEL em memória de João César. O culto havia sido transferido do anfiteatro do Centro de Ciências Biológicas para outro local do campus devido a problemas na cobertura do local, denunciados pelo Jornal de Londrina. O Instituto de Criminalística considerou "coerente" o depoimento da estudante gaúcha Yole Chapman, segundo qual, pouco antes do desabamento da marquise, muita água estava escorrendo pelo pilar de sustentação. O engenheiro de segurança da UEL, Paulo Roberto de Oliveira, descartou, em análise preliminar, que a marquise tenha desabado devido ao acúmulo de água.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.