Morre menina baleada na quadra da Imperatriz Leopoldinense

Adolescente de 14 anos paticipava do ensaio da escola quando foi baleada; o prejétil ficou alojada na nuca

Solange Spigliatti, estadao.com.br

16 Fevereiro 2009 | 11h24

A adolescente Juliana Lins da Silvade, 14 anos, morreu na manhã desta segunda-feira, 16, após ser atingida na nuca por uma bala perdida no ensaio da Imperatriz Leopoldinense. A jovem participava do ensaio na quadra da escola em Ramos, zona norte do Rio. A polícia fez nesta tarde uma perícia no local, mas ainda não conseguiu determinar de onde partiu o tiro.   Na hora em que foi atingida, havia muito barulho no local e ninguém ouviu o tiro. A quadra tem o teto aberto e isso, segundo a polícia, há grande possibilidade de a bala ter partido de fora do local. Mesmo assim, não está descartada a hipótese de ter partido de dentro da quadra.   Ela foi levada para o Hospital Getúlio Vargas por volta das 23 horas do domingo. A bala entrou no olho da adolescente e ficou alojada numa parte sensível do cérebro e não foi possível retirá-la. Juliana se preparava para desfilar pela primeira vez, na ala mirim das baianas. Ela estava sentada numa cadeira ao lado da bateria, quando o tiro atingiu sua nuca.   Atualizado às 18h15 para acréscimo de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.