Morre, no Rio, o "Rei das Quentinhas"

O empresário Jair Coelho, conhecido como o Rei das Quentinhas, morreu, nesta sexta-feira, em decorrência de problemas pulmonares, aos 69 anos.Coelho estava internado há 47 dias no Centro de Terapia Intensiva do Hospital Samaritano, na zona sul da cidade, e teve a morte constatada às 13h10 desta sexta.A ex-modelo Ariadne Coelho, de quem estava se separando, permaneceu os últimos dias ao lado do empresário.Coelho ganhou as páginas de jornal no ano passado, com o escândalo de superfaturamento das refeições que servia a 6.500 presos do Estado.Entre 1988 e 2000, suas empresas, a Cereais Praia Formosa e a Empresa Brasileira de Alimentos Ltda. (Brasal), tiveram o monopólio do fornecimento de ?quentinhas? para o sistema penitenciário.O posto valeu-lhe o apelido e o faturamento anual de R$ 80 milhões. Com a fortuna, adquiriu mansões ? a do condomínio Novo Leblon tem salão de beleza, academia de ginástica, adega, boate para 80 pessoas, cascata artificial erguida com três toneladas de pedras importadas da Flórida ?, e carros importados.Mas nem sempre foi assim. Houve um tempo em que as marmitas eram preparadas pela primeira mulher, a costureira Luzia Silveira, com quem não teve filhos, e vendidas a peões de obra na Barra.Coelho fazia as entregas num fusca. Ele trabalhou ainda como vendedor ambulante de enciclopédias e apostilas. O casal morava num pequeno apartamento no Catete.Quando passou a fornecer as quentinhas para o Estado, enriqueceu. Conheceu a ex-modelo Ariadne Coelho, 36 anos mais nova, e separou-se de Luzia. O divórcio turbulento foi em 1993.Depois de brigar na Justiça, Luzia recebeu R$ 4 milhões, pensão mensal de R$ 24 mil, quatro apartamentos, uma cobertura duplex na Barra e uma casa em Cabo Frio.Com Ariadne, Coelho teve três filhos Jorge, de 9 anos, e os gêmeos Tiffany e Jair, de 4. O Rei das Quentinhas perdeu a majestade no ano passado.Ele foi acusado de fornecer quentinhas superfaturadas, sem licitação, e oferecer Títulos da Dívida Agrária (TDAs) frios como caução para contratos com a prefeitura de Campos e com a Comlurb, no Rio, responsável pela limpeza da cidade.Coelho chegou a ficar preso durante 40 dias, entre julho e agosto do ano passado, acusado de sonegação fiscal, falsidade ideológica, uso de documento falso e formação de quadrilha.Sua empresa foi proibida de participar de licitações do Estado. Em maio deste ano, ele e Ariadne iniciaram um conturbado processo de separação, que incluiu ameaça de retirada da guarda das crianças da ex-mulher.Ariadne deixou a mansão e mudou-se com os filhos para um apartamento no Condomínio Golden Green. Desde que Jair foi internado, no entanto, a ex-modelo esteve ao lado do empresário e fez a lista das pessoas autorizadas a visitá-lo no CTI do Samaritano.Nesta sexta-feira, Ariadne não foi encontrada. A empregada informou que ela passou o dia no hospital, acompanhada de seus pais e de um irmão. Até o fim da tarde, a família não havia divulgado o local do enterro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.