Morre o criminalista Waldir Troncoso Peres

Considerado um dos mais importantes criminalistas do País, o advogado Waldir Troncoso Peres morreu no domingo, em São Paulo, aos 85 anos, em consequência de insuficiência renal. Ele estava internado no Hospital Albert Einstein, onde seu corpo foi velado até as 13h de ontem, quando foi transportado para sua cidade natal, Vargem Grande do Sul, para um outro velório preparado por seus familiares. O enterro deve acontecer às 9 horas de hoje.Filho de um agricultor espanhol, Peres se mudou para a capital paulista com 16 anos. Formou-se em 1947 na Faculdade de Direito do Largo São Francisco. Dono de uma admirável oratória, atuou até 2004, quando foi vítima de um acidente vascular cerebral (AVC) que prejudicou sua fala.Em nota, o presidente da seção paulista da Ordem dos Advogados do Brasil, Luiz Flávio Borges D?Urso, lamentou a morte do colega. "Em sua vitoriosa trajetória profissional escreveu seu nome entre os grandes criminalistas brasileiros, como Evaristo de Moraes, Dante Delmanto, Raimundo Paschoal Barbosa e Manoel Pedro Pimentel", lembrou. "Estes advogados transformaram a Advocacia Criminal em arte, ao assegurar que ninguém é indigno de defesa."Sobre seu ofício, Peres afirmava que, se o cliente cometesse um crime, seria defendido por ele. Se cometesse o segundo, também. Mas se cometesse o terceiro, não o defenderia mais, para não parecer que era "profissional do crime". Em sua carreira, foi saudado como "lenda viva das tribunas do júri" e "príncipe dos advogados." No total, defendeu mais de 130 pessoas acusadas de crime passional, entre eles o famoso caso do cantor Lindomar Castilho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.