Morte ao telefone pode dar multa de R$ 50 mi

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) começou a apurar as causas do acidente que eletrocutou a dona de casa Maria Rosa de Lima, 61 anos, no momento em que ela atendia o telefone de sua casa, em São Lourenço da Serra, Grande São Paulo. A tragédia ocorreu há uma semana, pouco depois de uma tempestade, no bairro de Paiol do Meio. Segundo a Anatel, caso seja identificada alguma falha por parte da empresa de telefonia que atende a região, poderá ser cobrada multa de até R$ 50 milhões.O filho de Maria Rosa, Walmir Lima, disse na terça-feira, que por volta do meio-dia técnicos da Anatel estiveram no local do acidente para recolher todos os tipos de material que possam ajudar na investigação, entre fotos do telefone queimado e fios retorcidos. ´Esperamos que a Anatel ajude a esclarecer como minha mãe morreu, porque a Eletropaulo e Telefônica não se manifestaram´, disse Lima.Procurada, a Eletropaulo não se pronunciou. Já a Telefônica informou que, após algumas falhas, todas as linhas de São Lourenço da Serra funcionam normalmente. A empresa voltou a ressaltar anteontem que dispõe de sistemas de proteção elétrica e atmosférica para evitar danos ao sistema telefônico. A proteção é feita por pontos de aterramento preparados para cobrir a rede de maneira uniforme. Equipes técnicas das duas empresas estão trabalhando juntas para identificar as causas do acidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.