Fabio Motta/AE
Fabio Motta/AE

Morte de bandido faz tráfico ordenar fechamento de comércio em favela pacificada no Rio

Segundo a polícia, escolas estão funcionando no Morro de São Carlos; Anderson Moura foi morto no sábado em confronto com PMs

Marcelo Gomes, O Estado de S. Paulo

17 de junho de 2013 | 12h09

RIO - O comércio amanheceu fechado, nesta segunda-feira, 17, no Morro de São Carlos, no Estácio, zona norte do Rio de Janeiro. A favela possui uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) desde maio de 2011. O luto teria sido imposto por traficantes, após a morte de Anderson dos Santos Moura, conhecido como Brinquinho, de 29 anos, no fim da noite de sábado, 15, durante confronto com PMs da UPP no Morro do Querosene, vizinho ao São Carlos.

Segundo a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP), os policiais faziam um patrulhamento de rotina na comunidade quando o suspeito efetuou disparos contra eles, por volta das 23h de sábado. Houve confronto e o homem foi baleado. Ele chegou a ser levado ao Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro, mas não resistiu. Com a vítima, foi apreendida uma pistola calibre 9 milímetros.

Ainda segundo a PM, contra Anderson havia mandados de prisão expedidos pela Justiça pelos crimes de tráfico de drogas e porte ilegal de munição. O caso foi registrado na 17ª Delegacia de Polícia (São Cristóvão).

O policiamento está reforçado nesta segunda-feira nos morros de São Carlos e do Querosene. A PM informou que, apesar de o comércio estar fechado, creches e escolas funcionam normalmente.

Outros casos. No último dia 8, traficantes do Morro da Providência, na região central da cidade, também ordenaram o fechamento do comércio devido à morte de Diogo de Oliveira Tarcia Santos, conhecido como DG, de 26 anos, em confronto com a polícia. Ele era apontado como chefe das bocas de fumo na comunidade. Conhecida por ser a primeira favela da cidade, a Providência possui uma UPP desde abril de 2010. Também ficaram fechadas lojas próximas ao edifício da Central do Brasil (onde ficam a 4ª Delegacia de Polícia e a sede da Secretaria de Segurança do Estado) e ao prédio do Comando Militar do Leste, do Exército.

Em abril, traficantes do Morro dos Macacos, em Vila Isabel, zona norte, impuseram luto ao comércio por dois dias, após a morte de Jorge Araújo Vieira, o Bebezão, de 35 anos, chefe das bocas de fumo da favela, na manhã do dia 17 daquele mês. A favela possui uma UPP desde novembro de 2010. O bandido morreu ao ser baleado durante uma troca de tiros com vigilantes que escoltavam um caminhão de cigarros na Avenida Brasil, na altura de Fazenda Botafogo, zona norte. Desde a ocupação do Morro dos Macacos pelas forças de segurança, Bebezão estava refugiado em outras favelas da facção Amigos dos Amigos (ADA).

Tudo o que sabemos sobre:
Violência no Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.