Morte de brasileiro na Argentina ainda é mistério

Casal foi assassinado a pancadas, mas polícia de Mendoza não tem pista dos suspeitos

Ariel Palácios, de O Estado de S. Paulo,

03 de novembro de 2008 | 15h12

O brasileiro Ego Esterling foi misteriosamente assassinado na madrugada de domingo, 2, no distrito de Villa Nueva, município de Guaymallén, na província de Mendoza, no oeste da Argentina. Segundo as autoridades mendocinas, Esterling, de 40 anos, era um empresário dedicado ao setor de exportações de alho, um dos principais produtos da região. Ele foi assassinado a pancadas, de forma "selvagem", segundo definiram fontes policiais. Uma das hipóteses indica que Esterling teria sido atacado enquanto dormia, na casa de sua namorada argentina. Sua namorada, Laura Lorena Ginar, de 28 anos, também foi espancada até morrer. No entanto, ao contrário de Esterling, estava vestida. Ela foi atingida com um tiro na cabeça. Os corpos foram descobertos horas depois pelo filho de Laura, de 3 anos. O menino - em estado de choque - avisou seus avós maternos, que moram na casa vizinha. Segundo informações extra-oficiais, tanto Esterling quanto Laura teriam tentado resistir, já que existiam sinais de violência no quarto do casal, onde os dois corpos foram localizados pela Polícia. No entanto, os pais da jovem nada ouviram na casa ao lado. A Polícia de Mendoza não tem pistas sobre o autor - ou autores - do assassinato. As especulações sobre os motivos do crime indicam que poderia ter sido uma tentativa de roubo. Mas, o dinheiro e jóias que estavam na casa não foram levados, sequer os celulares do casal foram roubados.  As autoridades não descartavam eventuais vinganças por questões comerciais. Esterling dedicava-se à exportação de alho, enquanto Laura era dona de um galpão usado como depósito. A polícia não descarta um hipotético crime passional. O ex-marido de Laura - e pai do filho dela - passou pela casa às 16 horas do domingo, alegando que havia sido avisado por telefone do crime ocorrido. O chefe de Investigações, Juan Carlos Caleri, afirmou que "todas as hipóteses estão sendo levadas em conta". Caleri afirmou que "há um elemento que está faltando" da casa, em relação a eventuais objetos roubados. No entanto, recusou-se a falar sobre o que era. Uma das hipóteses avaliadas pela imprensa em Guaymallén é que Esterling teria levado à Mendoza uma quantia substancial de dinheiro, que teria desaparecido. A polícia suspeita que Esterling foi assassinado antes de Laura. Ela teria sido morta em outra parte da casa e seu corpo teria sido arrastado até o quarto do casal. Segundo informações que circulavam em Guaymallén, Esterling seria originário de Porto Xavier, no Rio Grande do Sul, e passaria parte do ano entre o Brasil e a Argentina. O casal teria entrado na casa de Laura, no sábado à noite, na camionete de Esterling, uma Ssangyiong Rexton, que, segundo as informações, teria placa brasileira. O assassinato teria ocorrido entre 6h e 7h da manhã deste domingo, de acordo com a análise feita nas vítimas.

Mais conteúdo sobre:
assassinatobrasileiro morto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.