Morte de dois homens gera depredação de ônibus no Rio

Moradores da favela da Carobinha, em Campo Grande, zona oeste, depredaram e incendiaram um ônibus da linha 850 (CampoGrande-Estrada do Mendanha) nesta quarta-feira à tarde. A atitude foi uma represália às mortes de dois homens da comunidade, em tiroteio com integrantes do Regimento de Polícia Montada de Campo Grande, na noite de terça-feira.Segundo a Polícia Militar, os dois mortos eram traficantes.Os ônibus foram parados por manifestantes da favela pouco antes das 15h. Um deles estava na Estrada do Mendanha, e outro próximo à entrada da favela no Km 40 da Avenida Brasil, umas das principais vias de acesso ao centro da cidade. As pessoas que estavam no veículo foram obrigados a descer e, em seguida, os moradores apedrejaram e atearam fogo aos ônibus. Ninguém ficou ferido.Linha AmarelaUm confronto com traficantes da favela Vila do João mobilizouquatro equipes de policiais militares e civis na madrugada de desta quarta-feira, próximo à Linha Amarela, via que liga as zonas norte e oeste. O tiroteio, que durou 45 minutos, não chegou a fechar a via expressa.A troca de tiros começou quando um grupo do Batalhão de Choque da PM fazia uma incursão à favela, no Complexo da Maré, e foi recebida a tiros. Cinco homens do 22 º Batalhão (Benfica), que trabalham no Posto de Polícia Comunitária do local, também se envolveram.Duas equipes da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (Core) que patrulhavam a via expressa, com quatro policiais em cada, intervieram. ?Ouvimos os tiros e revidamos, mas não eram direcionados para nós?, disse o inspetor Marcelo Camarte. Segundo ele, alguns traficantes estavam em cima de contêiners, que ficam em um depósito em Ramos, zona norte, bem próximo à Linha Amarela. ?Do alto, eles podem controlar melhor as entradas da favela.? Ninguém ficou ferido ou foi preso.Foi o primeiro tiroteio próximo à Linha Amarela em 2003. No ano passado, a via foi fechada pelo menos 20 vezes, 16 delas noentroncamento com a Linha Vermelha. Em novembro de 2002, a dupla Sandy e Júnior escapou de uma falsa blitz na Linha Amarela. Dois dias depois, no mesmo local, a deputada Graça Pereira (PTdoB) e seu marido, o vereador Jorge Pereira de Souza (PFL), foram assaltados duas vezes na mesma madrugada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.