Morte de menino na Castelo Branco causa protesto

Moradores da Favela Flamenguinho, no quilômetro 18 da Rodovia Castelo Branco, em Osasco, na Grande São Paulo, interditaram, na noite de quinta-feira, as pistas daquela rodovia, em protesto contra o atropelamento e morte de um menino de 8 anos. Vários veículos que passaram pelo local foram apedrejados. O motorista que atropelou o menino só não foi linchado porque fugiu, mas se apresentou à Polícia Rodoviária Estadual, que o encaminhou à delegacia Seccional de Osasco, onde foi indiciado por homicídio culposo. Alexandre, o menino, mais conhecido como Lelê, brincava com outras crianças de esconde-esconde, à margem da Castelo Branco, quando correu para a pista e foi apanhado pelo veículo. Lelê morreu no local e o corpo interrompeu quatro das cinco pistas da rodovia. Policiais militares impediram que os manifestantes fechassem definitivamente a Castelo Branco. Os PMs que atenderam à ocorrência foram acusados de impedir os familiares de se aproximarem do corpo do garoto, que ficou na pista até a chegada dos peritos do Instituto de Criminalística. Os moradores nos arredores protestaram contra ausência de passarela no local. Eles também aproveitaram para denunciar as más condições habitacionais na área. Segundo eles, o governo do Estado teria destinado verba para a construção de prédios de apartamentos populares, no bairro do Flamenguinho, mas somente parte do conjunto foi erguido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.