Morte de preso em DP motiva protesto e queima de ônibus

Polícia alega que detido se enforcou com cadarço; 1 pessoa ficou ferida em manifestação

Daniela do Canto, Felipe Oda e Marcelo Godoy, O Estadao de S.Paulo

28 de maio de 2009 | 00h00

Cerca de 200 moradores da comunidade Vila Reis, na zona leste de São Paulo, realizaram na madrugada de ontem um protesto contra a morte de Sérgio dos Santos, de 38 anos, encontrado enforcado dentro de uma cela do 63º DP (Vila Jacuí), após ser preso sob a acusação de tráfico de drogas. A Secretaria de Segurança Pública alega que Santos cometeu suicídio, mas parentes e amigos contestam a versão. Durante a manifestação, uma pessoa ficou ferida, um ônibus foi incendiado e outros quatro, depredados. Por volta da meia-noite, os manifestantes atacaram os veículos da Viação Vip Transportes, que estavam estacionados no ponto final, na Avenida Maria Santana. De acordo com o delegado Elton Richard Krull, do 63º DP, dois homens numa moto e um grupo de adolescentes a pé abordaram o cobrador de um dos coletivos, anunciaram o ataque e atearam fogo no carro. O fogo se alastrou por uma árvore, atingiu a guarita do ponto e uma casa. O grupo ainda montou uma barricada, com lixo e entulho, na via. Outros quatro coletivos foram danificados, mas ninguém se feriu. Por volta de 2h30, policiais da Rota, do Grupo de Operações Especiais (GOE), do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra) e da Guarda Civil Metropolitana (GCM) foram acionados para conter a manifestação. Na ação, um rapaz de 17 anos foi atingido por um tiro na perna e encaminhado para o Hospital Municipal Tide Setúbal. "Estou bem, mas os policiais atiraram em mim e me deram uma coronhada na cabeça", disse o menor. Segundo Krull, uma denúncia anônima levou a polícia até Santos, preso na terça passada, às 16h30, em sua residência. "Em poder dele foram encontrados cinco pinos de cocaína e, no interior da casa, mais 21 pinos e R$ 270." Marli dos Santos, de 32 anos, irmã do acusado, acusa os policiais de armarem o flagrante. "Três homens pegaram meu irmão. Um deles tirava a droga do bolso e colocava na mesa. Aí. fui posta para fora da casa."Santos foi levado ao DP e colocado numa cela provisória, onde horas mais tarde teria sido encontrado enforcado. A versão da polícia diz que ele pegou o cadarço de tênis, que estava do lado de fora da cela, e se suicidou. Amigos afirmam que Santos não tinha motivos para "acabar com a vida". A família questiona como ele conseguiu entrar na cela com um cadarço, uma vez que os pertences do preso são entregues aos familiares.A morte de Santos na carceragem é a quarta em celas de delegacias da capital desde que o lutador de jiu-jítsu Ryan Gracie foi encontrado morto em 14 de dezembro de 2007 - outros casos foram registrados no 10º DP e no 72º DP. Os promotores do Grupo de Atuação Especial de Controle Externo da Atividade Policial (Gecep), do Ministério Público Estadual, vão acompanhar as investigações do caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.