Morte de psicólogo é tratada com sigilo

O psicólogo Rodolfo Bianquini, 30 anos, foi sepultado hoje às 8h30 no Cemitério das Aléias, em Campinas. O corpo de Bianquini foi encontrado pela Guarda Municipal com várias perfurações de faca no pescoço e peito durante a madrugada de sábado na residência do juiz do trabalho Carlos Alberto Moreira Xavier, ex-presidente do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) 15ª Região de Campinas. O socorro foi acionado por um vigia que ouviu muitos gritos vindo da rua Hermes Braga, no bairro Nova Campinas, região nobre da cidade.Segundo alguns investigadores que estiveram de plantão na madrugada, o principal suspeito de ter assassinado o psicólogo é o filho do juiz, o estudante Rodolfo Xavier, 26, que prestou depoimento no 1º Distrito Policial. Outras pessoas que estavam na casa no momento do ocorrido declararam que Bianquini tentou suicídio.Conforme policiais do plantão diurno o caso está sob sigilo e não foram passadas informações sobre o andamento das investigações. Jornalistas não tiveram acesso a cópia do Boletim de Ocorrência. A Polícia Civil e a Guarda Municipal deverão se pronunciar apenas amanhã. Na residência de Xavier as ligações por telefone não são atendidas. Familiares de Bianquini também não foram localizados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.