Morte de recruta em treinamento leva PM do Rio a investigar excessos

Paulo de Lima, de 27 anos, passou mal no dia 12 e morte cerebral foi constatada nessa segunda

Adriano Barcelos , O Estado de S. Paulo

19 de novembro de 2013 | 13h23

RIO - A Polícia Militar do Rio de Janeiro investiga as circunstâncias do treinamento de recrutas que levou à morte cerebral de Paulo Aparecido Santos de Lima, de 27 anos. Ele participava de atividades do curso preparatório da PM em 12 de novembro, quando sentiu-se mal. Depois de ser atendido pela Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Marechal Hermes, na zona oeste do Rio, ele foi transferido para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM) no mesmo dia. A morte cerebral foi constatada no HCPM na noite de segunda-feira, 18.

A PM já abriu procedimento para apurar responsabilidades por excessos no treinamento realizado no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praça da PM (CFAP). No dia 12, a temperatura no bairro Sulacap, zona oeste, passou dos 42° C, com sensação térmica que superou os 50°C. O treino teria incluído exercícios extremos sob o calor. Recrutas que não conseguiam acompanhar o ritmo de esforço seriam obrigados a sentar sobre o asfalto escaldante ou recebiam banho de água gelada, provocando choques térmicos.

O grupo de recrutas da 5ª Companhia Alfa tinha 490 pessoas, das quais 33 passaram mal. Dentre eles, 18 teriam sofrido queimaduras nas nádegas ou nas mãos.

Tudo o que sabemos sobre:
Polícia MilitarRio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.