Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Morte de testemunha derruba superintendente da PF no ES

A morte de uma das principais testemunhascontra o crime organizado no Espírito Santo provocou, no início da noite desta segunda-feira, a exoneração do superintendenteregional da Polícia Federal no Estado e coordenador da missão especial, delegado Tito Caetano Corrêa. Fontes do Ministério daJustiça informaram que o assassinato do agricultor Manoel Corrêada Silva Filho - ocorrido na última sexta-feira, duas horas depois de ele ter deixado a Superintendência da Polícia Federalno Estado - provocou a exoneração.O agricultor foi transferido na sexta-feira da sede da Polícia Federal, em Vila Velha, município da Grande Vitória, para o presídio Monte Líbano, em Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do Estado. Ao chegar ao presídio, ele foi torturado até a mortepelos outros presos.A Polícia Federal ainda trabalha com ahipótese de ele ter sido envenenado antes, ou durante a transferência e pediu a exumação do corpo. O delegado da PolíciaFederal Joaquim Borges, que assinou a transferência do preso, também foi afastado nesta sexta-feira, por determinação doministro da Justiça, Paulo de Tarso Ribeiro.Dois dias antes de ser morto, Manoel Corrêa prestou depoimento ao Ministério Público Estadual e acusou o coronel reformado da Polícia Militar capixaba Walter Gomes Ferreira dechefiar uma quadrilha de extermínio e de roubo de gado no norte do Espírito Santo. Manoel Corrêa seria encarregado de contratar os pistoleiros para o grupo e depois matá-los, como queima dearquivo.O agricultor seria ouvido nesta segunda-feira pelos promotores do Grupo de Repressão ao Crime Organizado no Estado, comoprincipal testemunha no inquérito que apura a morte do fazendeiro Antônio Costa Neto, assassinado em Colatina, no anopassado.O juiz da Vara de Execuções Penais Alexandre Martins elaborou um relatório, apontando contradições na transferência do preso,que foi retirado da Superintendência da PF sem a recomendação de que se tratava de um preso ameaçado e que estava sob proteçãoespecial.Nesta terça-feira, o governador eleito do Espírito Santo, Paulo Hartung (PSB), vai se reunir com o ministro Paulo de Tarso para entregar o relatório elaborado pelo juiz e pedir atransferência do coronel Ferreira para a Sede da Polícia Federal em Brasília. Ferreira está preso na carceragem do Quartel da Polícia Militar, em Vitória."Existem provas de que o coronel, mesmo preso, continua ordenando crimes e mortes no Estado", declarou Hartung.O ministro Paulo de Tarso também vai se reunir nesta terça-feira, às 11h, com a vice-presidente da seccional capixaba da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-ES), Gladys Bitran, e como presidente do Conselho Nacional da OAB, Rubens Approbato. Gladys vai pedir "informações acertadas" sobre a morte do advogado Marcelo Denadai, assassinado no dia 15 de abrildeste ano e que provocou o pedido de intervenção federal no Estado, "engavetado", pelo procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro. O assassinato de Manoel Corrêa também será pauta da reunião.

Agencia Estado,

25 de novembro de 2002 | 22h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.